HUMANIZAÇÃO NO PROCESSO DE TRABALHO NA PERCEPÇÃO DE ENFERMEIROS DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Júlia Trevisan Martins, Maria José Quina Galdino, Mara Lúcia Garanhani, Keity Mayumi Sammi, Gabriela Schmitt Trevisan

Resumo


Objetivou-se identificar os fatores que propiciam e dificultam a humanização entre os trabalhadores de enfermagem, na percepção de enfermeiros de uma unidade de terapia intensiva. Pesquisa qualitativa-descritiva realizada em 2012, com 10 enfermeiros que atuavam em uma unidade de terapia intensiva de adultos de um hospital universitário paranaense. Os dados coletados por entrevista semiestruturada foram analisados segundo a análise de conteúdo. Emergiram duas categorias: fatores que propiciam e fatores que dificultam a humanização laboral entre os trabalhadores de enfermagem. Concluiu-se que os fatores contributivos para a humanização relacionavam-se ao trabalho realizado em equipe, ao bom relacionamento interpessoal, ao reconhecimento por colegas, pela instituição e pelo próprio trabalhador, à comunicação efetiva, e aos valores pessoais. Já a falta de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido e as atitudes de individualismo foram fatores que dificultavam a concretização das relações, para se estabelecer a humanização entre os trabalhadores.


Palavras-chave


Humanização da assistência; Ambiente de trabalho; Enfermagem de cuidados críticos; Unidades de terapia intensiva

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v20i3.41521 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133