ANÁLISE DO NÍVEL DE CONSERVADORISMO CONDICIONAL DAS EMPRESAS BRASILEIRAS LISTADAS NA BM&FBOVESPA APÓS A ADOÇÃO DOS IFRS

Roselaine Filipin, Silvio Aparecido Teixeira, Francisco Antonio Bezerra, Paulo Roberto da Cunha

Resumo


O estudo trata do conservadorismo condicional, definido como a oportunidade assimétrica de reconhecimento de ganhos e perdas no lucro contábil. O objetivo do estudo é investigar o nível de conservadorismo condicional nas demonstrações contábeis elaboradas segundo os IFRS adotados pelas empresas brasileiras listadas na BM&FBOVESPA. Para tanto, se utilizou pesquisa descritiva, documental e de cunho quantitativo. A população consiste nas empresas listadas na BM&FBOVESPA excluindo-se as empresas financeiras e aquelas que não tinham disponíveis os dados necessários para a análise, o que totalizou uma amostra de 291 empresas. A coleta de dados foi realizada por meio do software Economática e o período corresponde aos anos de 2006 a 2010 para obter demonstrações pré e pós adesão aos IFRS pelas empresas pesquisadas. Para que fosse possível verificar o nível de conservadorismo utilizou-se o modelo de regressão Basu (1997) processado no software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS). Concluiu-se que o lucro contábil apurado em demonstrações contábeis preparadas em IFRS incorpora mais significativamente o retorno econômico que em GAAP brasileiro e que o nível de conservadorismo é menor em demonstrações contábeis elaboradas em IFRS. Essas conclusões convergem com a pesquisa de Piot, Dumontier e Janin (2010), que usando modelo Basu (1997) confirmaram que o conservadorismo diminui como proxy assimétrica de boas versus más notícias.

Palavras-chave


Conservadorismo; Conservadorismo Condicional; IFRS.

Texto completo:

PDF | 24 - 36 |


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rcc.v4i2.28041

Revista Contabilidade e Controladoria [RC&C] - ISSN 1984-6266
Avenida Prefeito Lothário Meissner, 632 - Campus III
CEP 80210-070, Curitiba, PR, Brasil