VALOR ECONÔMICO AGREGADO E LUCRO CONTÁBIL: EVIDÊNCIAS NOVO MERCADO

Romualdo Douglas Colauto, Ulisses Oliveira Cruz, Wagner Moura Lamounier

Resumo


A criação de valor para o acionista ocorre quando a empresa obtém uma taxa de retorno sobre os investimentos maior do que a taxa que os investidores conseguiriam ao investir alternativamente em títulos de risco equivalente. O lucro contábil pode não denotar a criação ou destruição de valor nas empresas ao considerar itens transitórios como resultados não-operacionais e desconsiderar o custo do capital próprio. O Valor Econômico Agregado ao envolver a remuneração exigida por todos os proprietários de capital constitui um importante instrumento decisorial. Assim, o trabalho tem como objetivo apresentar uma estrutura para cálculo e divulgação do EVAâ, aplicável em empresas que utilizam padrões internacionais de contabilidade e empresas que seguem a legislação societária brasileira. Os dados referentes às empresas pertencentes ao Novo Mercado foram extraídos das Demonstrações Contábeis referentes ao Exercício 2005, disponíveis no site da BOVESPA e das respectivas companhias. Os resultados da pesquisa mostraram que a desconsideração do Custo do Capital Próprio no cálculo do Lucro Contábil pode implicar resultados que não correspondem ao valor efetivamente agregado. Tais evidências ocorreram nas empresas Embraer, Sadia, Suzano e Votorantim no ano de 2005, onde se verificou a presença de Lucro Contábil Líquido positivo ao mesmo tempo em que o EVAâ foi negativo.


Palavras-chave


EVA. Lucro Contábil. Gestão baseada em valor. Governança Corporativa.

Texto completo:

PDF | 185 - 199 |


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rcc.v1i3.20658

Revista Contabilidade e Controladoria [RC&C] - ISSN 1984-6266
Avenida Prefeito Lothário Meissner, 632 - Campus III
CEP 80210-070, Curitiba, PR, Brasil