Conflitos entre o Comperj e a gestão de áreas protegidas: o Mosaico Central Fluminense como possibilidade de enfrentamento a impactos socioambientais de grandes empreendimentos industriais

Breno Herrera da Silva Coelho, Carlos Frederico Loureiro, Marta Azevedo Irving, David Gomes Soares

Resumo


A implantação do Complexo Petroquímico do Rio Janeiro – Comperj, na cidade de Itaboraí-RJ, tende a gerar impactos socioambientais sobre as unidades de conservação circundantes, reunidas no âmbito do Mosaico da Mata Atlântica Central Fluminense (MCF). Durante o processo de licenciamento ambiental desse empreendimento foram constatadas contradições, que ensejaram tensões com as áreas protegidas, movimentos sociais e o Ministério Público Federal. Interpretando este caso à luz da ecologia política e da justiça ambiental, o presente trabalho discorre sobre a ação institucional dos conselhos de mosaicos e de unidades de conservação na gestão e no enfrentamento dos impactos socioambientais associados à instalação de grandes empreendimentos industriais, destacando em particular a atuação do conselho do MCF e sua capacidade de mediação com os setores empresarial e governamental.


Palavras-chave


mosaicos de áreas protegidas; licenciamento ambiental; mediação de interesses; conflitos

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v35i0.42103



Desenvolvimento e Meio Ambiente. ISSN: 1518-952X, eISSN: 2176-9109

Flag Counter   

 Licença Creative Commons
Desenvolvimento e Meio Ambiente de https://revistas.ufpr.br/made está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.ufpr.br/made/about.