Ordenamento Territorial no Cerrado brasileiro: da fronteira monocultora a modelos baseados na sociobiodiversidade

Carlos Eduardo Mazzetto Silva

Resumo


O Cerrado brasileiro é uma grande região biogeográfica de extrema riqueza sociocultural e ecológica. Essa riqueza vem sendo ignorada pelo avanço da fronteira agrícola, subordinada, atualmente, ao agron-egócio global das commodities. A gravidade desse processo é ampliada pela invisibilidade dessa riqueza da qual o Cerrado brasileiro é portador. Com o foco da preocupação ambiental voltado para a Amazônia, a destruição do Cerrado vem se dando longe dos olhos da mídia e da opinião pública. Entretanto, existe uma história de convivência de inúmeras comunidades tradicionais com os ecossistemas do Cerrado e de luta pela sobrevivência de seus modos de vida. Uma das expressões desse fato reside nas inúmeras demandas por criação de Reservas Extrativistas (Resex) no domínio do Cerrado. Este artigo destaca a perspectiva da criação dessas Unidades de Conservação (UCs) como um mecanismo importante de reordenamento territorial no Cerrado brasileiro que põe em relevo e revaloriza as invisíveis comunidades tradicionais que constituem o que melhor podemos chamar de Povo do Cerrado. O artigo destaca os processos em curso de criação de sete Resex no cerrado mineiro, dando relevo ao resgate do sentido tradicional que vê, entende e usa as chapadas como Gerais, terras de uso comum, e a outros sentidos contidos nas falas do povo do sertão mineiro.

Palavras-chave


Brazilian savannah; traditional communities; sociobiodiversity; Environmental Conservation Areas; cerrado brasileiro; comunidades tradicionais; sociobiodiversidade; Unidades de Conservação Ambiental

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v19i0.16407



Desenvolvimento e Meio Ambiente. ISSN: 1518-952X, eISSN: 2176-9109

Flag Counter   

 Licença Creative Commons
Desenvolvimento e Meio Ambiente de https://revistas.ufpr.br/made está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.ufpr.br/made/about.