O IMPACTO DA ANEMIA FALCIFORME NA VIDA DE ADOLESCENTE

Márcia Helena de Souza Freire, Rafaela Aparecida Pereira, Evelyn Juliana Ramos, Vanilde de Fátima Andrade Matos, Michelle Thais Migoto

Resumo


Objetivou-se identificar o impacto da anemia falciforme no cotidiano de adolescentes. Pesquisa quali-quantitativa, descritiva e exploratória com 12 adolescentes inscritos num ambulatório da cidade de Curitiba, estado do Paraná. A coleta dos dados ocorreu entre 15 de janeiro a 30 abril de 2014. Teve como referencial teórico as Representações Sociais e metodológico o Discurso do Sujeito Coletivo. Dos resultados encontrados, metade dos adolescentes era afrodescendente, quase todos foram diagnosticados na Triagem Neonatal no Teste do Pezinho. Os jovens demonstraram algum conhecimento da doença; a maioria referiu não se sentir diferente perante outros adolescentes sem a doença; foram frequentes os relatos de dor, cansaço, uso de medicamentos e limitações ao convívio social; o motivo de internação mais frequente foi por crise álgica. Ações educativas em serviços de saúde, com foco nas singularidades de paciente e família, minimizarão os impactos da doença e promoverão qualidade de vida dos jovens com anemia falciforme.

Palavras-chave


Anemia falciforme; Doença crônica; Adolescente; Enfermagem em saúde pública; Pesquisa qualitativa.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v20i3.42027 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133