Camponeses e agrotóxicos na Amazônia Oriental

Genisson Paes Chaves, Sônia Barbosa Magalhães

Resumo


Este texto analisa como uma sociedade camponesa da região amazônica, integrada à agroindústria de dendezeiro, compreende o uso e os sentidos dos agrotóxicos em seu universo social e simbólico. Por meio do trabalho de campo etnográfico buscamos compreender como e a partir de que mecanismos as lentes da sociedade camponesa da vila São Vicente, no município de Moju, no estado do Pará, tece essa relação. Veneno ou química é o nome atribuído ao agrotóxico que, embora percebido como perigoso, tem seu risco relativizado por mediações socioculturais que se interpõem entre recomendações do fabricante, cartilhas da empresa e o cotidiano da utilização. Estas também predominam no percurso progressivo do adoecimento, muitas vezes silenciado.

Palavras-chave


sociedades camponesas; agrotóxicos; agroindústria; sistemas de classificação; Amazônia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v58i0.73069

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Desenvolvimento e Meio Ambiente. ISSN: 1518-952X, eISSN: 2176-9109

Flag Counter   

 Licença Creative Commons
Desenvolvimento e Meio Ambiente de https://revistas.ufpr.br/made está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.ufpr.br/made/about.