Construção da autoctonia e proteção do ambiente na escala internacional: do conflito à cooperação?

Bruno Bouet

Resumo


Esse trabalho teve como propósito recuperar a construção e interação de duas questões relevantes, em especial no cenário internacional: a da autoctonia e a da proteção do meio ambiente. As múltiplas intersecções entre os interesses dos que propugnam o reconhecimento da autoctonia e dos que defendem a proteção do meio ambiente no mundo suscitaram a emergência de novas recomendações internacionais no que diz respeito à conservação ambiental. Apoiando-se no estudo da literatura que demonstra essas interações e na apresentação do contexto inicialmente antagônico entre autoctonia e proteção do meio ambiente, vamos mostrar que seus respectivos porta-vozes souberam ao menos entrelaçar seus discursos para ganhar maior legitimidade. Dos discursos às práticas, os atores internacionais ligados à conservação (WWF, UICN, ...) estão em busca de um novo “paradigma” por meio do qual as áreas protegidas contemporâneas promoveriam o reconhecimento das populações autóctones enquanto “aliados naturais” da defesa do meio ambiente. No entanto, este discurso tem por base uma definição ecologizada de autoctonia que ignora a questão das desigualdades sócio-históricas perpetradas contra os povos autóctones. Ao mesmo tempo, parece ocultar o fato de que a missão conservacionista pode ter historicamente gerado e ampliado estas desigualdades, mantendo silêncio ou prudência quanto à perspectiva de uma eventual reparação desta situação.

Palavras-chave


organizações internacionais; padrões de conservação; autoctonia; justiça ambiental; ecologização

Texto completo:

PDF (Français (Canada))


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v38i0.44429



Desenvolvimento e Meio Ambiente. ISSN: 1518-952X, eISSN: 2176-9109

Flag Counter   

 Licença Creative Commons
Desenvolvimento e Meio Ambiente de https://revistas.ufpr.br/made está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.ufpr.br/made/about.