A rede sociotécnica na relação entre ribeirinhos e onças (Panthera onca e Puma concolor) nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável Amanã e Mamirauá no Amazonas

Joana Silva Macedo, Fátima Tereza Braga Branquinho, Helena de Godoy Bergallo

Resumo


Estudos conduzidos por cientistas naturais sobre a relação entre fauna silvestre e populações tradicionais muitas vezes não apontam a assimetria e as controvérsias inerentes ao tema, principalmente quando tratam da fauna carismática. O embate entre modos tradicionais de lidar com os problemas advindos da convivência com onças e o empenho em conservar esses animais está se dando em uma arena onde o diálogo é falho. O objetivo do artigo foi apresentar a rede sociotécnica desse conflito. Ao assumir a Teoria Ator-Rede como método para analisar essa relação, espera-se dar um passo para a composição de um mundo comum que considere de forma simétrica os humanos e não-humanos que compõem a rede. Os atores, suas práticas e conexões na rede e as dissonâncias nos discursos foram apresentados procurando seguir alguns preceitos básicos da teoria, como adotar a política como parte do fazer científico, abandonar a divisão modernista e as representações e assumir a multiplicidade ontológica.

Palavras-chave


Teoria Ator-Rede; rede sociotécnica; onças; ribeirinhos; Amazônia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v35i0.40537



Desenvolvimento e Meio Ambiente. ISSN: 1518-952X, eISSN: 2176-9109

Flag Counter   

 Licença Creative Commons
Desenvolvimento e Meio Ambiente de https://revistas.ufpr.br/made está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.ufpr.br/made/about.