Os atores em embate na estrada Yucumo Rurrenabaque entre desenvolvimento, conservação e autonomia indígena: um estudo de caso da Amazônia Boliviana

José Francisco Marquez

Resumo


A construção de estradas na Amazônia é frequentemente percebida como tendo impactos mecânicos e irreversíveis de colonização, deflorestação e de degradação ecológica e cultural. Este artigo apresenta um caso de estudo que questiona esta visão. Mostra que, no local do estudo-Pilón Lajas (Bolívia)-, a  estrada unicamente adquire irreversilidade  no âmbito da disputa entre quadros cognitivos e políticos ligados à ideia de sua construção e quadros  opostos vinculados à ideia da conservação e da autonomia indígena que se apropriam dela a partir das interações que suscita entre estes atores, os quais utilizam tais programas para legitimar suas pretensões. O impacto das estradas (agency) apenas se dá em função das relações mútuas que os atores constróem para estabilizar seus usos. Os povos indígenas, divididos entre a diluição na interculturalidade e a submissão na conservação, estão tentando conciliar autonomia e desenvolvimento por entre as brechas dos dispositivos de gestão.

Palavras-chave


estradas; Amazônia Boliviana; indígenas; conservação; desenvolvimento

Texto completo:

PDF (Français (Canada))


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v33i0.39498



Desenvolvimento e Meio Ambiente. ISSN: 1518-952X, eISSN: 2176-9109

Flag Counter   

 Licença Creative Commons
Desenvolvimento e Meio Ambiente de https://revistas.ufpr.br/made está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.ufpr.br/made/about.