Epistemologia da agroecologia: dialética versus positivismo

Alceu Ravanello Ferraro

Resumo


Este artigo apresenta duas perspectivas epistemológicas situadas em polos opostos, o positivismo e a dialética marxista, tendo como horizonte o almejado diálogo das ciências da sociedade com as ciências da natureza que constituem o núcleo da agroecologia (a agronomia e a ecologia). Primeiro, destaca as ideias fundamentais do positivismo e analisa suas principais vertentes: o positivismo utópico-revolucionário de Condorcet, o utópico-socialista de Saint-Simon, o conservador de Comte, o utilitarista de Stuart Mill e Spencer, o sociológico de Durkheim e, finalmente, o de Popper, que rejeita a pecha de positivista. Passa, depois, a apresentar como alternativa a perspectiva epistemológica da dialética marxista, que moveu a crítica mais radical ao positivismo, contrapondo a noção de movimento à de ordem, a noção de historicidade das leis econômicas e sociais à de presunção de leis naturais da produção, a de peculiaridade das ciências da sociedade à de concepção de leis sociais naturais, aspectos de fundamental importância para um diálogo produtivo entre ciências sociais e ciências naturais, entre sociedade e natureza, como almejado na agroecologia.


Palavras-chave


agroecologia; epistemologia; positivismo; dialética

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v34i0.37953



Desenvolvimento e Meio Ambiente. ISSN: 1518-952X, eISSN: 2176-9109

Flag Counter   

 Licença Creative Commons
Desenvolvimento e Meio Ambiente de https://revistas.ufpr.br/made está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.ufpr.br/made/about.