EMPATIA DE ESTUDANTES DE ENFERMAGEM EM ATIVIDADE CLÍNICA SIMULADA

Cezar Kayzuka Cotta Filho, Mateus Henrique Gonçalves Meska, Giovanna Cristina Conti Machado, Juliana Constantino Franzon, Leandro Yukio Mano, Alessandra Mazzo

Resumo


Objetivo: identificar e avaliar a empatia de estudantes de enfermagem antes e após atividade clínica simulada.
Método: trata-se de um estudo quantitativo e quase-experimental, realizado no interior do Estado de São Paulo. Fizeram parte do estudo 107 estudantes de graduação em enfermagem. Foi construído e validado um cenário de simulação clínica de média fidelidade. A empatia foi avaliada por meio do Inventário de Empatia antes e após a atividade clínica simulada.
Resultados: houve mudanças positivas após a atividade clínica simulada nos componentes cognitivos da empatia e não houve mudanças, em partes, no componente afetivo da empatia.
Conclusão: a atividade clínica simulada bem delineada em um cenário de simulação clínica validada foi capaz de melhorar o componente cognitivo da empatia, porém não foi passível de mudanças no componente afetivo da empatia, o qual transfigura em sentimentos de compaixão e altruísmo.


Palavras-chave


Empatia; Ensino; Educação; Enfermagem; Humanização da Assistência.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v25i0.68142 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133