PERFIL CLÍNICO DE CRIANÇAS SUBMETIDAS A TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOIÉTICAS

Jéssica Alline Pereira Rodrigues, Maria Ribeiro Lacerda, Ingrid Meireles Gomes, Márcio Roberto Paes, Renata Perfeito Ribeiro, Carmem Maria Sales Bonfim

Resumo


Objetivo: identificar o perfil clínico de crianças em pós-transplante de células-tronco hematopoiéticas.
Método: pesquisa quantitativa, transversal, retrospectiva, em serviço transplantador do Sul/Brasil, com dados de prontuários de crianças com 12 anos incompletos, submetidas a transplante. Para análise utilizaram-se medidas de tendência central, dispersão, frequências e testes do qui-quadrado e Fisher para associar variáveis.
Resultados: a média de idade foi de 6,2 anos, predomínio do sexo masculino 92 (66,7%), diagnóstico Anemia de Fanconi 42 (30,4%) e transplante alogênico não aparentado 71 (51,4%). A alta hospitalar aconteceu em até 30 dias pós-transplante para 85 (61,6%) e 48 (34,8%) foram reinternadas. As perdas do cateter acometeram 11 crianças (8%) e as principais intercorrências clínicas ambulatoriais foram dor, tosse, coriza e febre. Infecção viral esteve relacionada ao transplante não aparentado e doença do enxerto contra hospedeiro.
Conclusão: o perfil identificado corrobora o planejamento de cuidados a esta população, contribuindo com a prática de enfermagem.


Palavras-chave


Transplante de células-tronco hematopoéticas; Perfil de saúde; Cuidados de enfermagem; Enfermagem oncológica; Enfermagem Pediátrica.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v24i0.55967 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133