PRÁTICAS OBSTÉTRICAS DE UMA MATERNIDADE PÚBLICA EM RIO BRANCO-AC

Sheley Borges Gadelha de Lima, Janine Schirmer, Leila Maria Geromel Dotto, Clisângela Lago Santos

Resumo


Objetivo: identificar as práticas obstétricas na assistência ao parto e nascimento em uma maternidade pública de Rio Branco, Acre. Método: estudo descritivo exploratório de delineamento transversal, com 460 puérperas de partos vaginais e de seus recém-nascidos ocorrido de novembro de 2013 a fevereiro de 2014. Dados coletados por meio de entrevistas, prontuário e folha de admissão do recém-nascido, submetidos à análise estatística descritiva e analítica. Resultados: práticas demonstradamente úteis: Presença de acompanhante 400(87%); oferecimento de dieta 349 (75,9%); liberdade de posição e movimento 374 (81,3); uso de partograma 246 (53,5%); alívio da dor 360 (78,3%) e contato pele a pele 433 (94,1%). Práticas inapropriadas: Amniotomia 249 (54,2%). Práticas claramente prejudiciais: infusão de ocitocina 87 (39%), posição horizontal para o parto 435 (94,6%), manobra de Kristeller no período expulsivo 71 (15,5%). Conclusão: é possível romper com o modelo obstétrico praticado atualmente, porém incentivos na formação dos profissionais se fazem necessários.


Palavras-chave


Parto humanizado; Enfermagem obstétrica; Trabalho de parto; Humanização da assistência.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i4.53258 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133