Open Journal Systems

O SIGNIFICADO DA SEGURANÇA DO PACIENTE CIRÚRGICO PEDIÁTRICO PARA A EQUIPE DE ENFERMAGEM

Adriana Teixeira Reis, Rosângela da Silva Santos, Tharine Louise Gonçalves Caires, Renata dos Santos Passos, Lidya Elisa Pereira Fernandes, Patrícia de Araújo Marques

Resumo


Este estudo teve como objetivo conhecer o significado de segurança para as equipes de enfermagem que atuam junto à criança cirúrgica. Foi utilizado o método da análise de conteúdo em vinte discursos de profissionais de enfermagem de um hospital público federal materno-infantil localizado na cidade do Rio de Janeiro. A coleta de dados deu-se no período de março a junho de 2015. As equipes reconhecem a necessidade de uma assistência de enfermagem segura através de alguns elementos como: prevenção de quedas, infecções, exercício de ética e uso de protocolos. Os profissionais não mencionaram claramente a comunicação como um elemento essencial à segurança. Outros elementos que também não foram apontados referem-se à identificação do paciente, prevenção de úlceras por pressão e promoção de um ambiente seguro. Criar uma cultura de segurança deve ser incentivado a fim de buscar melhor desempenho das práticas de enfermagem em cirurgia pediátrica.

Palavras-chave


Enfermagem pediátrica; Segurança do paciente; Cirurgia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Organização Mundial de Saúde. The conceptual framework for the international classification for patient safety [acesso em 01 Feb 2016]. Disponível em: http://www.who.int/patientsafety/implementation/taxonomy/publications/en/.

Vincent C. Segurança do paciente: orientações para evitar os eventos adversos. Porto Alegre (RS): Yendis; 2010.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Assistência segura: uma reflexão teórica aplicada à prática. 2013 [acesso em 18 Fev 2016]. Disponível em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/images/documentos/livros/Livro1-Assistencia_Segura.pdf.

Joint Commission International. Metas Internacionais de Segurança do Paciente [acesso em 15 Fev 2016]. Disponível em: http://pt.jointcommissioninternational.org/improve/international-patient-safety-goals/.

Maldonado MT, Canella P. Recurso de relacionamento para profissionais de saúde: a boa comunicação com clientes e seus familiares em consultórios, ambulatórios e hospitais. Ribeirão Preto: Novo Conceito; 2009.

Sousa P, Mendes W. Segurança do paciente: conhecendo os riscos nas organizações de saúde. Rio de Janeiro: EAD/ENSP; 2014. 208p.

Merhy EE. O ato de cuidar: a alma dos serviços de saúde. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de gestão do trabalho e da educação na saúde. Departamento de gestão da educação na saúde. Rev SUS Brasil: cadernos de textos. Brasília(DF); 2004. p. 108-37.

Marques PA, Melo ECP. O processo de trabalho em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(2): 374-80.

Pope C, Mays N. Pesquisa qualitativa na atenção a saúde. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília(DF); 2012 [acesso em 12 Jan 2016]. Disponível em: http://www.conselho.saude.gov.br/web_comissoes/conep/index.html.

Mendes LR, Broca PU, Ferreira MA. Leitura: expressão lúdica do cuidado de enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2009 Jul-Set; 13(3): 530-36 [acesso em 10 Jan 2016]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v13n3/v13n3a11.

Fassarella CS, Miranda da Cruz DS, Pedro SLB. A comunicação entre equipe de enfermagem e acompanhante visando à segurança do paciente oncológico durante o processo de hospitalização. Rev Rede Cuidados Saúde; 7(1) [acesso em 15 Fev 2016]. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.br/index.php/rcs/article/viewFile/1902/904.

Pontes EP, Couto DL, Lara HMS, Santana JCB. Comunicação não verbal na unidade de terapia intensiva pediátrica: percepção da equipe multidisciplinar. REME Rev Min Enferm. 2014; 18(1): 15-26.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Protocolo de Segurança na prescrição, uso e administração de medicamentos. Anexo 03: 43; 2013 [acesso em 03 Dez 2015]. Disponível em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/seguranca-na-prescricao-uso-e-administracao-de-medicamentos.

Roque KE, Melo ECP. Avaliação dos eventos adversos a medicamentos no contexto hospitalar. Esc Anna Nery. 2012; 16(1): 121-7.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Protocolo para Cirurgia Segura. Anexo 03:10; 2013 [acesso em 03 Dez 2015]. Disponível em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/protocolo-de-cirurgia-segura.

Ferreira RC, Varga CRR, Silva RF. Trabalho em equipe multiprofissional: a perspectiva dos residentes médicos em saúde da família. Ciênc saúde coletiva. 2009; 14(1): 1421-8.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Resolução - RDC nº 36, de 25 de julho de 2013. Institui ações para a segurança do paciente em serviços de saúde e dá outras providências. Brasília(DF); 2013 [acesso em 16 Jan 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2013/rdc0036_25_07_2013.html.

Brasil. Portaria nº 529, de 1º de abril de 2013. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). Brasília(DF); 2013 [acesso 24 Jan 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0529_01_04_2013.html.

Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente. Estratégias para a segurança do paciente: manual para profissionais da saúde. Porto Alegre: EDIPUCRS; 2013. 132 p [acesso em 21 Fev 2016]. Disponível em: http://www.rebraensp.com.br/pdf/manual_seguranca_paciente.pdf.

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 311/2007: Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem [acesso em 03 Jan 2016]. Disponível em: http:// www.cofen.gov.br.

World Health Organization. Department of Communicable Disease, Surveillance and Response. Prevention of hospital – acquired infections: a practical guide. Malta: WHO; 2002 [acesso em 12 Dec 2015. Disponível em: http://apps.who.int/medicinedocs/documents/s16355e/s16355e.pdf.

Giarola LB, Baratieri T, Costa AM, Bedendo J, Marcon SS, Waidman MAP. Infecção hospitalar na perspectiva dos profissionais de enfermagem: um estudo bibliográfico. Cogitare enferm. [Internet] 2012 Jan-Mar; 17(1): 151-7 [acesso em 13 Jan 2016]. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/view/26390/17583.

Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia. Metas Internacionais de Segurança do Paciente - Como nós fazemos. [acesso em 20 Fev 2016]. Disponível em: https://www.into.saude.gov.br/upload/arquivos/acreditacao/folder_metas.pdf.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Protocolo Prevenção de Quedas, Anexo 01:12; 2013 [acesso em 03 Dez 2014]. Disponível em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/prevencao-de-quedas.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i5.45416