PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO INTRÍNSECOS AO PACIENTE E O DESFECHO QUEDA NA CLÍNICA CIRÚRGICA

Cristiane Ferraz da Silva, Suelen Reiniack, Bruna de Melo Souza, Karinne Cristinne da Silva Cunha

Resumo


Os objetivos do estudo foram identificar a prevalência dos fatores de risco de queda intrínsecos durante a internação do paciente e buscar os registros de queda de paciente no período de janeiro de 2015 em uma unidade de internação cirúrgica. Os participantes foram os pacientes da enfermaria cirúrgica de um hospital no Rio de Janeiro. A pesquisa foi realizada de janeiro a março de 2015. Considerou-se a presença ou ausência dos fatores de risco intrínsecos para queda. Foram registrados cinco (5,1%) casos de queda do total de 98 participantes. Associação dos fatores de risco no paciente que sofreu queda mostrou que 100% (5) dos pacientes tinham o fator de risco comprometimento da visão, 80% (4) apresentavam idade maior que 65 anos e anemia. O foco principal é reduzir os casos de queda no cenário de estudo desta pesquisa. Portanto, pesquisa futura pretende aprofundar o assunto entorno do desenvolvimento de tecnologia educacional para reduzir a incidência de queda no cenário de estudo.

Palavras-chave


Acidentes por quedas; Segurança do paciente; Fatores de risco; Medidas de segurança; Enfermagem.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Ministério da Saúde, ANVISA e Fiocruz. Protocolo Prevenção de Quedas. PROQUALIS, 2013.

Diccini S, Pinho PG, Silva FO. Assessment of risk and incidence of falls in neurosurgical inpatients. Rev Latinoam Enferm. 2008;16(4):752-7.

Severo IM, et al. Fatores de risco para quedas em pacientes adultos hospitalizados: revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(3):540-54.

Teixeira TCA, Cassiani SHB. Análise de causa raiz de acidentes por quedas e erros de medicação em hospital. Acta Paul Enferm. 2014; 27(2):100-7.

Paiva MCMS, et al. Caracterização das quedas de pacientes segundo notificação em boletim de eventos adversos. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(1):134-8.

National Patient Safety Agency. The third report from the patient safety observatory. Londres, 2007.

Marcolino JAMM, et al. Medida da Ansiedade e da Depressão em Pacientes no Pré-Operatório. Estudo Comparativo. Rev Bras Anestesiol. 2007;57(2):157-166.

Menezes RL, Bachion MM. Estudo da presença de fatores de riscos intrínsecos para quedas, em idosos institucionalizados. Ciênc e saúde colet. 2008;13(4):1209-18.

Fabian C, et al. Prevalência de anemia e fatores associados em mulheres adultas residentes em São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2007;23(5):1199-1205.

Costa ICP, et al. Fatores de risco de quedas em idosos: produção científica em periódicos online no âmbito da saúde. R bras ci Saúde. 2012;16(3):445-52.

Vitor AF, Lopes MVO, ARAUJO TL. Diagnóstico de enfermagem risco de quedas em pacientes com angina instável. Rev. Rene. Fortaleza. 2010;11(1):105-113.

Silva APM, Santos VLCG. Prevalência da incontinência urinária em adultos e idosos hospitalizados. Rev Esc Enferm USP. 2005;39(1):36-45.

Marin HF, Bourie P, Safran C. desenvolvimento de um sistema de alerta para prevenção de quedas em pacientes hospitalizados. Rev. latino-am. Enfermagem. 2000;8(3):27-32.

Remor CP, Cruz CB, Urbanetto JS. Análise dos fatores de risco para queda de adultos nas primeiras 48 horas de hospitalização. Rev Gaúcha Enfer. 2014;35(4):28-34.

Machado TR. Avaliação da presença de risco para queda em idosos. Rev Elet Enf. [Internet] 2009;11(1):32-8 [acesso em 10 mar 2015] Disponível: . Acesso em: 10 mar. 2015.

Costa AGS, et al. Fatores de risco para quedas em idosos. Rev Rene. 2013;14(4):821-8.

Costa-Dias MJM, et al. Quedas dos doentes internados em serviços hospitalares, associação com os grupos terapêuticos. Rev. Enf. Ref. 2013;2(29):105-114.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i5.45342 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133