PRIVACIDADE E CONFIDENCIALIDADE EM CASOS DE CASAIS DISCORDANTES PARA SÍFILIS

Janina Pontes Pisani, Elma Lourdes Campos Pavone Zoboli, Lislaine Aparecida Fracolli

Resumo


Estudo exploratório que buscou, junto a usuários da Liga de Combate à Sífilis e outras Doenças Sexualmente Transmissíveis do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo suas percepções acerca da privacidade e confidencialidade em situação hipotética com casal heterossexual, quando um dos parceiros tem sífilis, e compará-las às percepções encontradas em estudos realizados com profissionais da Estratégia Saúde da Família e "Potenciais usuários do Sistema Único de Saúde". A coleta de dados, realizada através de entrevista semiestruturada, perguntava como o profissional deveria agir numa situação em que um dos parceiros com sífilis não quer revelar o fato à esposa, porém pede que se realize o exame diagnóstico e o tratamento, sem o conhecimento de sua mulher. Foram entrevistados 32 usuários, e a análise dos dados mostrou que existe aceitação da participação do profissional no processo de revelação da verdade, e aproximações entre as percepções dos diversos grupos estudados. 

Palavras-chave


Bioética; Privacidade; Comunicação sigilosa; Sífilis.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v16i2.20845 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133