AUTONOMIA E A PRÁTICA ASSISTENCIAL DO ENFERMEIRO

Milena Silva de Jesus, Fátima Aparecida Said

Resumo


Realizou-se estudo de abordagem qualitativa, com o objetivo refletir a questão da autonomia junto a um grupo

de oito enfermeiros assistenciais das unidades de terapia intensiva de um hospital-escola. Os dados coletados por

entrevista semi-estruturada foram submetidos à análise de conteúdo proposta por Bardin. A análise possibilitou a identificação

de duas categorias: percebendo a complexidade do significado de autonomia e identificando no processo de trabalho as

condições facilitadoras e dificultadoras à construção da autonomia. Os resultados possibilitaram a percepção de que

autonomia ainda é um valor a ser habilitado, tem múltiplas compreensões e sua conquista se constrói no cotidiano da vida

hospitalar por condições intrínsecas do enfermeiro e por condições do entorno institucional. Estes vivenciam muitas

vezes, situações de dominação e subordinação nas relações estabelecidas com outros profissionais, com a estrutura

hierárquica da instituição e com os modelos técnico-assistenciais de saúde.


Palavras-chave


Autonomia; Enfermeiros; Prática profissional=pt; Autonomy, Nurses, Professional practice=en; Autonomía, Enfermeros, Práctica profesional=es

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v13i3.12996 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133