PROPOSTA DE MODELO METODOLÓGICO PARA IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS POTENCIAIS A CONSERVAÇÃO – UM ESTUDO DE CASO: ENTORNO DO PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS – PR

Marcos Antonio MIARA, Chisato Oka FIORI

Resumo


O planejamento ambiental destinado à criação e gestão de Unidades de Conservação é a maneira mais hábil para atingir os principais objetivos atribuídos a estas áreas. Considerando o exposto, a presente pesquisa objetivou propor um modelo metodológico para analisar de modo integrado um conjunto de variáveis físico-ambientais e de infra-estruturas visando auxiliar tomadas de decisões durante o planejamento de Unidades de Conservação. Como área experimental foi considerada um limite aleatório no entorno do Parque Nacional dos Campos Gerais – PR. O resultado obtido foi um Mapa de Classes de Aptidão para a Conservação subdividido em 5 níveis variando de muito baixa a muito alta aptidão que podem auxiliar os processos de planejamento e tomadas de decisão considerando as finalidades desta Unidade de Conservação.

Palavras-chave


Unidades de Conservação, Análises Espaciais, Planejamento e Gestão Ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Ministério do Meio Ambiente, 2000. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000 Sistema Nacional deUnidades de Conservação da Natureza. Disponível na Internet.http://www.mma.gov.brData de acesso 24 abril 2010.

CASTRO JÚNIOR, Evaristo de; COUTINHO, Bruno Henriques; FREITAS, Leonardo Esteves de. Gestão da Biodiversidade e Áreas Protegidas.InGUERRA, Antonio José Teixeira;

COELHO, Maria Célia Nunes (Orgs). Unidades de Conservação: Abordagens e Características Geográficas.Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

CHRISTOFOLETTI, A. Análise de Sistemas em Geografia: introdução. São Paulo: HUCITEC -EDUSP, 1979. 106p.

EGLER, P. Gestão ambiental integrada.In:RIO + 10 = Joanesburgo, rumos para o desenvolvimento sustentável. [S.I.]/Rio de Janeiro: Wilhelm Hofmeister / Fundação Konrad Adenauer, Série Debate, n 25, Maio 2002.

FRANCO, M. A. R. Planejamento ambiental para a cidade sustentável.São Paulo: Annablume: FAPESP. 2ª Ed. 2001.

GALANTE, M. L. V.; BESERRA, M. M. L.; MENEZES, E. O. Roteiro metodológico de planejamento: Parque Nacional, Reserva Biológica e Estação Ecológica.MMA / IBAMA, Edições IBAMA, 2002. Consultado em www.ibama.gov.brem 20/08/2006.

GUERRA, A. J. T.; LOPES, P. B. M. APA de Petrópolis: Um estudo das características geográficas.InGUERRA, Antonio José Teixeira; COELHO, Maria Célia Nunes (Orgs). Unidades de Conservação: Abordagens e Características Geográficas.Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

IBAMA (IBAMA/GTZ). Marco Conceitual das Unidades de Conservação Federais do Brasil. Brasília, IBAMA, 1997.

MARQUES, Anésio da Cunha; NUCCI, João Carlos.Planejamento, Gestão e Plano de Manejo em Unidades de Conservação. Revista Ensino e Pesquisa, v. 4, p. 33-39, União da Vitória, 2007.

NASCIMENTO, Flávio Rodrigues do; CARVALHO, Osires. Gerenciamento Ambiental em Unidadede Conservação: Bacia Hidrográfica como Estudo de Caso. Geografia, Londrina, v. 12, n. 2 –jul./dez., 2003. Disponível em http://www.geo.uel.br/revista.

NUNES, J. O. R., et al.A influência dos métodos científicos na Geografia Física. Terra Livre, Ano 22, v. 2, n. 27, p. 119-130. Presidente Prudente, Jul-Dez/2006.

SIMÕES, Luciana Lopes. Unidades de Conservação: conservando a vida, os bens e os serviços ambientais.São Paulo, 2008.

TRICART, Jean. Ecodinâmica.Rio de Janeiro, IBGE, Diretoria Técnica, SUPREN, 1977.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v25i0.28015

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009