LISBOA, EM PESSOA, OU DAS PAISAGENS DESASSOSSEGADAS

Gerson Luiz Roani

Resumo


Na literatura, várias cidades assumiram a condição de símbolos
literários vinculados à escrita de autores expressivos. Na poética de Fernando Pessoa, Lisboa assume a condição de um universo simbólico, no qual as vivências mais profundas do poeta encontram eco. Lisboa é uma presença permanente na prosa de Bernardo Soares e nos poemas do heterônimo Álvaro de Campos. Isso torna possível uma geografia pessoana que ultrapassa a simples descrição da cidade, tornando-se uma arte de tecer paisagens interiores.

Palavras-chave


imaginário; cidade; Lisboa; Fernando Pessoa; poesia portuguesa; imaginary; city; Lisbon; Fernando Pessoa; Portuguese poetry

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rel.v69i0.7879

Revista Letras - ISSN 0100-0888 (versão impressa) e 2236-0999 (versão eletrônica)

 

Licença Creative Commons
Revista Letras está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.