O Sistema nominal do Ye’kwana: um experimento sobre a distinção contável-massivo

Kayron Bevilaqua, Isabella Costa

Resumo


Este artigo apresenta uma investigação experimental sobre o comportamento dos sintagmas nominais (SNs) singulares e plurais em comparativas no Ye’kwana (língua Caribe falada em Roraima e na Venezuela). A partir da análise de Costa (2018) sobre a distinção contável-massivo, elaboramos um experimento com o objetivo de investigar a interpretação semântica do chamado Singular Nu e do sintagma pluralizado nessa língua. Os resultados mostraram que ambos foram bem avaliados no teste de aceitabilidade e ambos admitiram leituras de volume e cardinais nos teste de interpretação e julgamentos de quantidade. Dessa forma, as análises não apontaram diferenças significativas entre esses dois sintagmas, o que nos levou à conclusão de que o clítico koomo não seria um operador de plural. Ademais, partindo da divisão tipológica de Chierchia (2010), problematizamos uma análise em que o Ye’kwana seja uma língua de número neutro. Indicamos, por fim, que a denotação de um domínio atômico para nomes neutros para número não explicam a interpretação de volume para o SNU encontrada nos resultados do teste.


Palavras-chave


Distinção contável-massivo. Plural. Singular nu. Ye’kwana.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rel.v99i1.65313

Revista Letras - ISSN 0100-0888 (versão impressa) e 2236-0999 (versão eletrônica)

 

Licença Creative Commons
Revista Letras está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.