“O beijo no rosto morto”: A iminência da morte e os sentidos do eu em Um sopro de vida

Luciana Namorato

Resumo


Este ensaio examina a gradual aproximação de Clarice Lispector—e das inúmeras narradoras e personagens em que ela se desdobra—à coisa-eu-que-morre. Para acercar-me ao tema, referir-me-ei brevemente a diversas pistas deixadas pela  autora sobre a intersecção entre a consciência da morte e a construção do indivíduo em conversas e entrevistas, assim como em sua ficção, em geral. Em seguida, focarei especificamente o romance-pulsações Um sopro de vida (1978), com o objetivo de melhor vislumbrar a relação entre a inevitabilidade da morte e a estruturação de uma imagem de eu e de um plano de vida para as personagens clariceanas.


Palavras-chave


Clarice Lispector; Um sopro de vida; morte na literatura

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rel.v98i0.61325

Revista Letras - ISSN 0100-0888 (versão impressa) e 2236-0999 (versão eletrônica)

 

Licença Creative Commons
Revista Letras está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.