CLARICE LISPECTOR AOS OLHOS DA ANTROPONOMÁSTICA: O ANTROPÔNIMO FICCIONAL COMO ARTIFÍCIO DA (DES)PERSONALIZAÇÃO

Amanda Kristensen Kristensen de Camargo, Márcia Sipavicius Seide

Resumo


A produção literária de Clarice Lispector abrange tanto o público infantil quanto adulto. Com base em sua escritura, pela qual a autora ora se propõe maternal, ora duramente metafísica, é perceptível que a nomeação das personagens tece também dois pontos onomásticos extremos: o primeiro – especificamente voltado à “escrita para crianças” – destaca-se pela antropormofização de animais e elaboração de pseudônimos, artifício jocoso e criativo que constrói, na criança, a referência dos sujeitos zooficcionais; o segundo – imerso na “escrita para adultos” – destaca-se pela intrigante composição acrossílaba (acrônimo), que rompe com a noção de solidez identitária das entidades ficcionais, despersonalizando-as. Ambas extremidades onomásticas, ainda que opostas, dialogam com a escritura sinestésica de Clarice reveladora de sua perspectiva da nomeação como parte da linguagem incapaz de contemplar as emoções ou sujeitos do lócus empírico. Para expormos de forma clara as singularidades de ambos artifícios onomímico-literários da autora, bem como suas consequências à (des)construção dos narradores-personagens, valeremo-nos, principalmente, das considerações de Mill (1973), Oliver (2010) e Eckert e Röhrig (2018) voltadas à análise prático-onomástica de algumas das obras de Clarice como A paixão segundo G.H (1998), A hora da estrela (1993), A mulher que matou os peixes (2010) e Quase de verdade (2010).

Palavras-chave


Clarice Lispector; Onomástica; Antroponomástica ficcional.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rel.v98i0.61314

Revista Letras - ISSN 0100-0888 (versão impressa) e 2236-0999 (versão eletrônica)

 

Licença Creative Commons
Revista Letras está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.