A literatura na interpretação do Brasil e de Portugal segundo Antonio Candido e Eduardo Lourenço

Patrícia da Silva Cardoso

Resumo


Portugal e Brasil têm em comum uma língua e um passado. Apesar desse vínculo, quando se estuda a literatura dos dois países, seja no Brasil, seja em Portugal, a tendência é a de se separarem as produções, como se de duas séries literárias distintas se tratasse. Sem nos aprofundarmos nos motivos para tal, vale lembrar o papel de um texto como “Literatura e cultura de 1900 a 1945”, de Antonio Candido, na constituição de um distanciamento entre os dois países, marcado pelo esforço brasileiro de independência da matriz portuguesa, que se teria consolidado plenamente na altura do movimento modernista. O artigo de Candido atribui um papel central à literatura, que transcende os limites do campo estético para ser instrumento da construção da auto-imagem nacional. Apesar do distanciamento no que diz respeito à crítica literária praticada nos dois países, é possível observar, em um artigo como “Da literatura como interpretação de Portugal”, de Eduardo Lourenço, um esforço análogo ao de Candido quando coloca a literatura naquela posição privilegiada. A este artigo interessará discutir os pontos de contato e de afastamento dos dois críticos em suas abordagens do literário como instância de reflexão privilegiada acerca da cultura e das identidades nacionais brasileira e portuguesa.


Palavras-chave


Ciências Humanas; Letras; Literatura

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rel.v90i2.37437

Revista Letras - ISSN 0100-0888 (versão impressa) e 2236-0999 (versão eletrônica)

 

Licença Creative Commons
Revista Letras está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.