Open Journal Systems

A ZOOMORFIZAÇÃO EM ANTÔNIO CHI MANGO

DENISE AZEVEDO DUARTE GUIMARÃES

Resumo


No livro-poema Antonio Chimango, de Amaro Juvenal, existe um sistemático processo dì zoomorfização do personagem centra!; o que o presente trabalho visa comprovar, através do levantamento des indicios formais reveladores de tal processo,rclacionando-cs com o conteúdo temático.
Estudandose a utilização des cpitetcs-quanto ao grau e à carga semântica; e a linguagem figurada — com ênfase nas imagens da zoomorfização, eufemismos e utilização do simile; verifica-se uma nítida caracterização negativa de Chimango. O uso des epítetos distancia o personagem do nível humano; i linguagem figurada, aproxima-o do animal.
A insistente comparação com animais nocivos e/ou inúteis, enfatiza um processo de animaüzação. Gradativamente, a degenerescencia de Chimango passa do nível animal para o vegetal, até atingir a roificação, ou seja, o nível mais baixo da escala.
Configura-se todo um processo de decumanização, cujo climax é a zoomorfização. À carga semântica do nome Chimango ( — pequena ave de rapina) aliam-se os efeitos dos epítetos e, principalmente, do simile animaüzcnte; agindo na coordenada sensorial — ccmo imagem criada; e na coordenada intelectual — como assimilação de conceitos.
O problema central do texto é o desintegrarse de um ser humano e sua integração no gênero animei. O poema fiiia'se è tradição da poesia de cunho panfletário, constituindo-se numasátira política.
Ccnsiderando-sc cômica ou caricatural a caracterização de Antônio Chimango, vemos que o poema coaduna'se com a finalidade pragmática do cômico: a sanção social pelo riso.Vis:ndo atingir o maior número pascível de pessoas, ao mesmo tempo, o autor zoomcrfizou um ser humano (um político da época) criando um tipo; procedimento que o conduziu ao geral, ao universal e não ao indivíduo apenas. Reside aí uma expli'cação para a permanência da obra, que conseguiu tornar-se algo mais que uma caricatura restrita no tempo e no espaço, afirmando'se como criação literária.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rel.v23i0.19660