TRANSCRIÇÃO PORTUGUESA DE UM FONEMA TUPI

R. F. MANSUR GUÉRIOS

Resumo


O estudo explica por que o fonema (s de vocábulos tupis introduzidos no léxico português não é transcrito com s (ou ss), mas com c e, i) e ç. O fato se baseia na existência do fonema africano / t s /, no século 16, tanto no tupi quanto no português, neste representado pelas grafias c (+ e, i) e ç.
Os primeiros autores portugueses que elaboraram gramáticas, dicionários, etc., da língua tupi, são uniformes nessa representaçãográfica. Igual transcrição foi feita em espanhol pelo Pe. Montoya com relação ao guarani (século 17).
A existência ainda hoje de / t s / ou de / d z / em várias línguas da família tupi confirma a asserção, e conclui-se, portanto, que a grafia c, ç em palavras tupis no português não é arbitrária.
E, por fim, o Autor do estudo explica também por que há exceções.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rel.v29i0.19410

Revista Letras - ISSN 0100-0888 (versão impressa) e 2236-0999 (versão eletrônica)

 

Licença Creative Commons
Revista Letras está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.