UM ENGENHEIRO NA EXPOSIÇÃO UNIVERSAL: ANDRÉ REBOUÇAS E OS FANTASMAS DA TÉCNICA

Alfredo Cordiviola

Resumo


Este ensaio propõe uma leitura do "Caderno da primeira viagem a Europa" escrito pelo engenheiro André Rebouças enquanto visitava a Great Exhibition de Londres em
1862.0 manuscrito (não publicado até hoje, e conservado na Fundação Joaquim Nabuco, em Recife) contém minuciosas observações e projetos feitos por Rebouças. Enquanto
viajante, o engenheiro persegue apenas um fim, ser testemunha das novidades da tecnologia. Aprender, copiar, traduzir são seus objetivos. Seus escritos portanto lidam com visões de modernidade e percepções do porvir, e postulam cruzamentos entre periferias e centros, entre os passados pré-industriais e as promessas de um futuro que Rebouças tentaria concretizar no Brasil do Segundo Império.

Palavras-chave


Rebouças; viajantes do século XIX; representações

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rel.v54i0.18683

Revista Letras - ISSN 0100-0888 (versão impressa) e 2236-0999 (versão eletrônica)

 

Licença Creative Commons
Revista Letras está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.