Da Odisséia à Odisséia de Penélope: o Coro de escravas como porta-voz da alteridade, violência e redenção

Sigrid P.M.L.S. Renaux

Resumo


A natureza patriarcal da mitologia grega concretizada na Odisséia, entre outros, no episódio das doze escravas enforcadas a mando de Odisseu, instigou Margaret Atwood a reescrever a história de Penélope e de suas escravas, baseando-se em  outras versões míticas. Dando voz a Penélope e às escravas para recontar suas histórias a partir de seu nascimento até a volta de Odisseu, e portanto como narradoras autodiegéticas, a fim de resgatar aspectos não revelados nos textos homéricos, Atwood o faz de um ângulo inusitado: as escravas formam um Coro, que canta, declama e dança enquanto relata sua verdadeira história. Um relato que expõe sua alteridade como sinônimo de condição objetal e de identidade em falta, condição essa que as deixava expostas a todo tipo de violência, levando assim à sua condenação e conseqüente execução. Entretanto, através do recurso de diferentes gêneros poéticos e estilos, o Coro reconstroi não apenas sua história, mas cria simultaneamente sua própria linguagem - polifônica, paródica, acusadora – desconstruindo assim também a imagem do herói homérico. A redenção das escravas se dá ao levarem Odisseu não só a um julgamento no século XXI, mas principalmente por lhe assegurarem que será eternamente perseguido pelas Fúrias. É o relato desse percurso da alteridade à violência e à redenção que será objeto de análise deste trabalho.


Palavras-chave


Margaret Atwood; Alteridade; Violência

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rel.v77i0.12644

Revista Letras - ISSN 0100-0888 (versão impressa) e 2236-0999 (versão eletrônica)

 

Licença Creative Commons
Revista Letras está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.