Open Journal Systems

MATRIZ NACIONAL COMUM DE COMPETÊNCIAS DO DIRETOR: O TRABALHO DO DIRETOR ESCOLAR EM ANÁLISE

Gabriela Botelho, Luis Gustavo Alexandre Silva

Resumo


O estudo analisa a Nova Matriz Nacional Comum de Competências do Diretor, aprovada pelo Conselho Nacional de Educação – CNE, visando identificar a concepção de gestão presente no documento, mais precisamente, como os conceitos da Nova Gestão Pública aparecem na proposta e seus possíveis efeitos no trabalho do diretor escolar. A pesquisa foi realizada mediante estudos bibliográficos e documentais. O texto busca apresentar os princípios relativos a gestão democrática, contidos na Constituição Federal de 1988 e na LDB 9394/96, bem como demonstrar como a visão empresarial representada pela Nova Gestão Pública tem se manifestado como referência para a composição da Matriz Nacional Comum de Competências do Diretor. Os resultados do estudo mostram que a matriz de competências tenta padronizar e uniformizar processos na gestão das escolas. Na realidade, a organização da matriz coaduna com um projeto de educação sintonizado com os interesses de mercado ao transferir o sentido uniforme e padronizado, presente no setor privado, para as escolas públicas.

Palavras-chave


Diretor escolar; Matriz de competências

Texto completo:

PDF

Referências


BARRÈRE, A. Controlar ou avaliar o trabalho docente? Estratégias dos diretores numa organização escolar híbrida. Revista Brasileira de Educação, v. 18, n. 53, p. 285-300, abr. 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782013000200003. Acesso em: 29 nov. 2021.

CURY, R. J. Gestão democrática da educação em tempos de contradição. 23º Simpósio Brasileiro de Política e Administração da Educação (UFRGS). Porto Alegre, 2007.

DIAS, J.A. O magistério secundário e a função do diretor. 1967. Tese (Doutorado em educação) – Faculdade de Filosofia, ciências e Letras, Universidade de São Paulo.

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

LAVAL, C. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. São Paulo: Boitempo, 2019.

LIMA, L. A escola como organização educativa. São Paulo: Cortez, 2001.

LIMA, L. . Por que é tão difícil democratizar a gestão da escola pública? Educar em Revista, Curitiba, v. 34, n. 68, p. 15-28, abr. 2018. Bimestral. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.57479. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/57479/35075. Acesso em: 29 nov. 2021.

MÉSZARÓS, I. A educação para além do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

RAMOS, M. N. CNE aprova Matriz para Diretores. Aprendizagem em Foco - Nº 61 - Mai. 2021, [s. l], n. 61, p. 1-4, mar. 2021. Disponível em: https://www.institutounibanco.org.br/wp-content/uploads/2021/05/boletim-61-matriz-cne-2.pdf. Acesso em: 27 set. 2021.

OLIVEIRA, D.A.; DUARTE, A.; CLEMENTINO, A.M. A Nova Gestão Pública no contexto escolar e os dilemas dos (as) diretores (as). RBPAE - v.33, n.3, p.707-726, set./dez.2017. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/79303/46239 Acesso em 27 de set. 2021.

PARO, Vitor Henrique. A natureza do trabalho pedagógico. In: Gestão democrática da escola pública. São Paulo: Ática, 1995a.

PARO, Vitor Henrique.. Administração escolar: introdução crítica. 16. ed. São Paulo: Cortez, 2010

PARO, Vitor Henrique.. Gestão democrática da escola pública. São Paulo: Ática, 1995b.

PARO, Vitor Henrique.. Diretor escolar: educador ou gerente. São Paulo: Cortez, 2015

PERRUDE, M.R.S. Políticas de gestão escolar nos documentos da Unesco a partir da década de 1990: traduzindo intencionalidades. Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional, Paraná, v. 6, n. 12, p. 46-65, 30 abr. 2011. Quadrimestral. Disponível em: https://seer.utp.br/index.php/a/article/view/427/397. Acesso em: 22 jul. 2021.

TEIXEIRA, A.S. Natureza e função da Administração Escolar. In: Administração Escolar: Edição comemorativa do I Simpósio Interamericano de Administração Escolar. Salvador: ANPAE, 1968, p.9-17.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/jpe.v16i1.83899