n. 40 - O AFASTAMENTO DOCENTE NAS REDES MUNICIPAIS NO BRASIL EM 2016: A PRECARIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO COMO HIPÓTESE EXPLICATIVA

Denize Cristina Kaminski Ferreira, Marcus Quintanilha da Silva

Resumo


A precarização das condições de trabalho docente é de difícil mensuração, afetando não apenas a vida profissional, mas também as relações sociais fora da escola. Para ampliar o debate sobre o tema, este artigo apresenta um panorama dos afastamentos dos professores das redes municipais de ensino do país em 2016, a partir de 1.253.295 casos selecionados na Relação Anual de Informações Sociais – Rais, Infere-se, em diálogo com outras pesquisas, que a precarização das condições de trabalho do professor é uma das hipóteses explicativas para o fenômeno. Os resultados indicam que a educação infantil e as redes municipais das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul têm o maior percentual de professores com afastamentos.


Palavras-chave


Trabalho docente; Afastamento docente; políticas educacionais

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, D. C. de. Concepção, regulação e gestão da carreira docente no Brasil e no Chile no contexto das reformas educacionais. 2015. 193 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

ALVES, T.; PINTO, J. M. de R. Remuneração e características do trabalho docente no brasil: um aporte. Cadernos de Pesquisa, Campinas, Unicamp, v. 41, n. 143, p. 606-639, maio/ago. 2011.

APPLE, M. Ensino e trabalho feminino: uma análise comparativa da história e ideologia. Revista Cadernos de Pesquisa. São Paulo: n. 64, p. 14-23, fev. 1988.

CARISSIMI, A. C. V. Perfil profissional e condições de trabalho docente: um estudo sobre os professores dos anos iniciais da RME de Curitiba. 2011. 149 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

CONCEIÇÃO, C. M. C.; BERTONCELI, M. A profissão docente na Educação Infantil: uma análise histórica da constituição de um grupo profissional. Temas & Matizes, Cascavel, v. 11, n. 21, p. 64-84, jul./dez. 2017.

FANFANI, E. T. La condición docente: análisis comparado de la Argentina,Brasil, Perú y Uruguay. Buenos Aires: Siglo XXI Editores, 2007.

FERREIRA, D. C. K. Os professores temporários da Educação Básica da Rede Pública Estadual do Paraná. 2013. 185 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

GASPARINI, S. M. BARRETO, S. M.; ASSUNÇÃO, A. Á. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 189-199, maio/ago. 2005

GOMES, F. P. das C. Ser professora de creche: constituindo sua identidade profissional. 2016. 188 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação) - Formação de Formadores. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo-SP, 2016.

GROCHOSKA, M. A. Políticas Educacionais e a Valorização do Professor: carreira e qualidade de vida dos professores da Educação Básica do município de São José dos Pinhais/PR. 2015. 269 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

HECK, B. M. A carreira das educadoras da Educação Infantil no município de Curitiba: Integração com a educação ou consolidação na marginalização? 2014. 221 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS ESTATÍSTICAS INEP. 1937. Nota Técnica Nº 10/2017/CGCQTI/DEED. A remuneração média dos docentes em exercício na educação básica: pareamento das bases de dados do Censo da educação básica e da RAIS. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em 18/01/2019.

KUHLMANN JR, M. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LOURO, G. L. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997, p. 443-481.

MOREIRA, F. A.; SILVA, M. V. Trabalho docente na esfera pública: controvérsias e vicissitudes sob a ótica dos sujeitos da educação. Revista Eletrônica Política e Gestão Educacional. Araraquara. Universidade Estadual Paulista, n. 10, p. 1- 20, jan./jun. 2011.

NORONHA, M. M. B,;. ASSUNÇÃO, A. Á.; OLIVEIRA, D. A. O sofrimento no trabalho docente: o caso das professoras da rede pública de Montes Claros, Minas Gerais. Trabalho, educação e saúde. Rio de Janeiro. v. 6, n.1, p. 1-21, mar./jun. 2008.

OLIVEIRA, D. A. Brasil: Las condiciones laborales de los profesores da Educación Básica. Buenos Aires: Fund. Laboratorio de Políticas Públicas, 2008.

OLIVEIRA, R. G. de. Processos de adoecimento: experiências vividas por professores no exercício profissional. 2017. 157 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Nove de Julho-UNINOVE. São Paulo, 2017.

REIS, E. J. F. B. dos; ARAÚJO, T. M. de; CARVALHO, F. M.; BARBALHO, L.; SILVA, M. O. e. Docência e Exaustão Emocional. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, p. 229-253, jan./abr. 2006.

RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAS. Brasília: Ministério do Trabalho, 1930. Disponível em:< http://www.rais.gov.br/sitio/index.jsf>. Acesso em: 11/01/2019.

ROCHA, F. M. Carreira, remuneração e perspectivas de lutas docentes a partir da criação do cargo de educador infantil e da Lei do Piso. 2017. 191 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2017.

SELZ, M. O raciocínio estatístico em sociologia. In: PAUGAM, S. (Coord.). A pesquisa sociológica. Petropólis, RJ: Vozes, 2015.

SILVA, M. Q. da. Condições de qualidade das redes municipais de ensino fundamental no Brasil. 227 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

SOUZA, A. N. de. Movimento sindical docente: a difícil trajetória. In: LEITE, M. de P. (Org). O trabalho em movimento. Campinas: Papirus, 1997, p. 113-174.

SOUZA, A. R. de. A política educacional e seus objetos de estudo. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Politica Educativa - Relepe, v. 1, n. 1, p. 75-89, ene./jun. 2016.

TARDIF, M.; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

VICENTINI, P. P.; LUGLI, R. G. História da profissão docente no Brasil: Representações em disputa. São Paulo: Cortez, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/jpe.v13i0.66903

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Publicado pelo Núcleo de Políticas Educacionais (NuPE) e pela linha de pesquisa em Políticas Educacionais do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFPR), da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Published by Educational Policies Research Centre (NuPE) and by Educational Policy Research Group at Graduate Program in Education (PPGE / UFPR), Federal University of Paraná (UFPR), Brazil.

Contatos: +55 41 35356264

E-mail: jpe@ufpr.br