Open Journal Systems

Violência psicológica: silêncio e invisibilidade, até quando?

Daiane Heloisa Göttems, Ronalisa Torman

Resumo


A violência psicológica contra a mulher, no âmbito doméstico, está entre as agressões mais invisibilizadas e silenciosas, impactando a saúde física e psíquica das mulheres. A presente pesquisa teve como objetivo investigar se as mulheres da cidade de Novo Hamburgo/RS, participantes do “Projeto de Extensão Laços de Vida”, percebem como e quando estão sendo vítimas de violência psicológica e identificar as consequências psíquicas oriundas destas agressões. O estudo caracterizou-se por ser do tipo qualitativo, descritivo e exploratório, utilizando-se, para investigação, a perspectiva de trabalho de Bardin (2020) sobre a análise de conteúdo. A amostra foi composta por dez mulheres adultas, participantes de grupos terapêuticos ofertados pelo projeto de extensão supracitado, da Universidade Feevale, que responderam individualmente a uma entrevista semiestruturada, mediante anuência prévia. Após a leitura e compreensão das entrevistas, compuseram-se duas categorias, sendo elas, “A percepção acerca da violência psicológica: era como se eu não existisse” e “Desdobramentos psíquicos da violência psicológica: a vida perdeu o sentido pra mim”. Os resultados apontam que as participantes percebem como e quando foram acometidas pela violência psicológica ao longo da vida, visto que, atualmente, o projeto de extensão que integram proporciona acolhimento e acesso à informação. Sendo assim, novos estudos acerca da temática contribuirão para a ampliação dos espaços coletivos que dão voz às mulheres e legitimam suas narrativas, além de promover sua saúde mental.

Palavras-chave


Extensão Universitária; Direitos Humanos; Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 5. ed. São Paulo: Edições 70, 2020.

BARROS, Pauline Silveira de. A violência contra a mulher também está no campo: um estudo sobre a rede de apoio às mulheres em situação de violência da região rural de Viamão/RS. 2020. 75 f. Trabalho de Conclusão do Curso (Monografia) – Curso de Educação do Campo, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/221597. Acesso em: 14 maio 2022.

BEAUVOIR, Simone de. (1949). O segundo sexo: a experiência vivida. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BISPO, Joicielly França et al. Violência contra a mulher: educação em saúde em uma Unidade Básica de Saúde em Maceió. Extensão em Foco, Palotina, PR, v. 26, n. 1, p. 249-258, 2022. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/extensao/article/view/76350. Acesso em: 15 out. 2022.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 16 abr. 2022.

BRASIL. Senado Federal. Instituto de Pesquisa DataSenado. Observatório da Mulher contra a Violência. Pesquisa DataSenado: violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília: Senado Federal, nov. 2021. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/arquivos/2021/12/09/pesquisa-violencia-domestica-e-familiar-contra-a-mulher_relatorio-final.pdf. Acesso em: 22 abr. 2022.

CHAGAS, Luciana Ferreira. O ciclo da violência: psicanálise, repetição e políticas públicas. Belo Horizonte: Dialética, 2020.

CHEMAMA, Roland. Dicionário de psicanálise Larousse. Tradução de Francisco Franke Settineri. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1995.

COLOSSI, Patrícia Manozzo; MARASCA, Aline Riboli; FALCKE, Denise. De geração em geração: a violência conjugal e as experiências na família de origem. Psico, Porto Alegre, v. 46, n. 4, p. 493-502, 2015. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/revistapsico/article/view/20979. Acesso em: 30 abr. 2022.

DEL CORSO, Maria das Graças Ramos. Do que padecem as mulheres? O (in)suportável do sofrimento. São Paulo: Biblioteca Virtual do Instituto Vox de Pesquisa em Psicanálise, 2016. Disponível em: https://voxinstituto.com.br/biblioteca/de-que-padecem-as-mulheres-o-in-suportavel-do-sofrimento/. Acesso em: 02 maio 2022.

FERRAZZA, Daniele; GESUALDI, Desirée Marata. Psiquiatrização do corpo da mulher: resistência antimanicomial e feminista na atualidade brasileira. Perspectivas en Psicología, Mar Del Plata, Uruguai, v. 18, n. 2, p. 58-68, 2021. Disponível em: http://200.0.183.216/revista/index.php/pep/article/view/549. Acesso em: 14 maio 2022.

FERREIRA, Esther de Sena. Os efeitos subjetivos da violência psicológica: o discurso de mulheres que permanecem nas relações com seus parceiros. 2017. 115 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Divisão de Pós-Graduação Stricto Sensu, Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE, 2017. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFOR_1bfa04dc82fb6b31ce24fae5a09fc6ae. Acesso em: 20 maio 2022.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Violência contra mulheres em 2021. São Paulo: FBSP, mar. 2022. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2022/03/violencia-contra-mulher-2021-v5.pdf. Acesso em: 27 ago. 2022.

FREUD, Sigmund (1905). Os três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: FREUD, Sigmund. Coleção obras completas de Sigmund Freud: vol. 6. 1. ed. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. p. 13-172.

FREUD, Sigmund (1914). Introdução ao narcisismo. In: FREUD, Sigmund. Coleção obras completas de Sigmund Freud: vol. 12. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 13-50.

FREUD, Sigmund (1914). Recordar, repetir e elaborar (novas recomendações sobre a técnica da Psicanálise II). In: FREUD, Sigmund. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud: vol. 12. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1980. p. 191-203.

FREUD, Sigmund (1931). Sobre a sexualidade feminina. In: FREUD, Sigmund. Coleção obras completas de Sigmund Freud: vol. 18. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 202-222.

INSTITUTO MARIA DA PENHA. Site institucional. Fortaleza: IMP, 2022. Disponível em: https://www.institutomariadapenha.org.br/. Acesso em: 06 abr. 2022.

JERUSALINSKY, Julieta. A criação da criança: brincar, gozo e fala entre a mãe e o bebê. Salvador: Ágalma, 2014.

KRUGER, Patrícia de Almeida. Penetrando o Éden: Anticristo, de Lars Von Trier, à luz de Brecht, Strindberg e outros elementos inquietantes. 2016. 288 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8147/tde-20122016-152701/pt-br.php. Acesso em: 09 maio 2022.

KUSTER, Eliana. Do simbólico ao real: faces da violência de gênero. Revista Eletrônica de Estudos do Discurso e do Corpo, Vitória da Conquista, BA, v. 12, n. 2, p. 83-109, 2017. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/redisco/article/view/2389/1976. Acesso em: 09 maio 2022.

MAGALHÃES, Bruna Maia. De amar muito mesmo, eu tava sem lugar pra mim: afetos, subjetividade e dispositivos de gênero em mulheres que sofreram violência por parceiro íntimo. 2021. 105 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura) – Universidade de Brasília, Brasília, 2021. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/42984. Acesso em: 21 abr. 2022.

NECCHI, Victor. A violência de gênero é um dos fenômenos mais democráticos que existem: entrevista especial com Marlene Strey. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo, RS, 05 jul. 2017. Disponível em: https://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/569341-a-violencia-de-genero-e-um-dos-fenomenos-mais-democraticos-que-existem. Acesso em: 16 abr. 2022.

PEDROSA, Mariana; ZANELLO, Valeska. (In)visibilidade da violência contra as mulheres na saúde mental. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 32, n. esp., p. 1-8, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ptp/a/8DzJKKXHyL9kbgddQ9Ns9Xd/abstract/?lang. Acesso em: 10 maio 2022.

PORTELA, Yeda. Violência psicológica: dificuldade em romper o vínculo afetivo em uma relação conjugal violenta. Revista Brasileira de Sexualidade Humana, v. 32, n. 2, p. 53-62, 2021. Disponível em: https://www.rbsh.org.br/revista_sbrash/article/view/987. Acesso em: 07 maio 2022.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2015.

SCHWAB, Beatriz; MEIRELES, Wilza. Um soco na alma: relatos e análises sobre violência psicológica. Brasília: Pergunta Fixar Editora Produtora de Arte, Educação e Cultura, 2017.

SILVA, Aline Natália; AZEREDO, Catarina Machado. Associação entre vitimização por violência entre parceiros íntimos e depressão em adultos brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 7, p. 2691-2700, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/ht5mGmHysJVG64B3Bf6FFFz/abstract/?lang=pt#. Acesso em: 14 maio 2022.

SILVA, Susan de Alencar et al. Análise da violência doméstica na saúde das mulheres. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 182-186, 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822015000200008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 08 maio 2022.

SIQUEIRA, Camila Alves; ROCHA, Ellen Sue Soares. Violência psicológica contra a mulher: uma análise bibliográfica sobre causa e consequência desse fenômeno. Revista Arquivos Científicos, Macapá, v. 2, n. 1, p. 12-23, 2019. Disponível em: https://arqcientificosimmes.emnuvens.com.br/abi/article/view/107. Acesso em: 08 maio 2022.

STOCKER, Pâmela Caroline; DALMASO, Silvana Copetti. Uma questão de gênero: ofensas de leitores à Dilma Rousseff no Facebook da Folha. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 24, n. 3, p. 679-690, 2016. Disponível em: http://old.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2016000300679&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 09 maio 2022.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil e outros ensaios. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2017.

VEIGA, Ana Maria; PEDRO, Joana Maria. Gênero. In: COLLING, Ana Maria; TEDESCHI, Losandro Antônio (Orgs.). Dicionário crítico de gênero. 2. ed. Dourados, MS: Universidade Federal da Grande Dourados, 2019. p. 330-333. Disponível em: https://repositorio.ufgd.edu.br/jspui/handle/prefix/1097. Acesso em: 20 maio 2022.

WALKER, Lenore. The battered woman syndrome. 3. ed. Nova York: Springer Publishing Company, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ef.v0i32.90265