OS ARTEFATOS DIGITAIS COMO FERRAMENTAS CULTURAIS MEDIADORAS: POSSIBILIDADES PARA NOVOS CENÁRIOS DE APRENDIZAGEM

Dirce Aparecida Foletto de Moraes, Claudia Maria de Lima

Resumo


com o objetivo investigar em que medida os artefatos culturais se consolidam como mediadores das atividades cognitivas e o que podem proporcionar aos jovens em seu processo formativo a partir de práticas intencionais, este estudo focaliza uma experiência didática vivida por um grupo de estudantes universitários. A pesquisa segue delineamento qualitativo, na modalidade exploratório-descritiva.  Os resultados revelam que os artefatos se tornaram mediadores das ações mentais e operacionais na medida em que foram utilizados para vivenciar novas e diferentes experiências de elaboração e reelaboração do pensamento e tornaram-se capazes de provocar atividades mentais diferenciadas que resultaram em uma simultaneidade de ações. Em relação ao que proporcionaram aos jovens, destacam-se o trabalho colaborativo na construção conjunta de significados, a autonomia, o gerenciamento das aprendizagens e o rompimento do formato linear de ensinar e aprender, os quais se consolidaram na construção de novos cenários.


Palavras-chave


artefatos digitais; ferramentas mediadoras; aprendizagem

Texto completo:

PDF


Qualis A1

Publicado pelo Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Contatos: (55) 41- 3535-6207 

E-mail: educar@ufpr.br

E-mail: educar.ufpr2016@gmail.com