Paternidades e a identidade do sujeito constitucional no Brasil: um estudo a partir do direito fundamental à licença-paternidade

Marcelo Andrade Cattoni de Oliveira, Stanley Souza Marques

Resumo


Num diálogo crítico com autores como Michel Rosenfeld, o artigo reconstrói a constitucionalização da licença-paternidade como um corte na paternidade tradicional ou pré-constitucional, aquela variante da paternidade absorvida pelo encargo do provimento material. A Constituição de 1988, ao reconhecer a licença-paternidade como direito fundamental, movimento inédito na história do constitucionalismo brasileiro, explicita o caráter vazio e transbordante de categorias como paternidade e maternidade, masculinidade e feminilidade; caráter também explorado pelos embates constitucionais e legislativos mais recentes sobre a regulamentação da licença-paternidade. O artigo reconstrói, no marco da teoria da identidade do sujeito constitucional, a disputa pelo significado das categorias aludidas, acirrada já no curso do processo constituinte de 1987-88. Com a reconstrução de fragmentos dessa disputa, aberta e mediada por uma Constituição que tensiona concepções tradicionais da paternidade (e, numa perspectiva relacional, também da maternidade), o artigo contribui não só com as reflexões sobre os potenciais emancipatórios imanentes à constitucionalização da licença-paternidade, mas também apresenta elementos para um debate sobre a identidade constitucional que nós, como sociedade política, construímos nas últimas três décadas.

Palavras-chave


Identidade do sujeito constitucional. Direito fundamental à licença-paternidade. Paternidades. Maternidades. Masculinidades.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUAYO, Francisco; BARKER, Gary; KIMELMAN, Eduardo. Editorial. Paternidad y Cuidado em América Latina: Ausencias, Presencias y Transformaciones. Masculinities and Social Change, v. 5, n. 2, p. 98-107, junho 2016.

ARAÚJO, Clara; SCALON, Celi. Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

BADINTER, Elisabeth. O conflito: a mulher e a mãe. Tradução Véra Lucia dos Reis. Rio de Janeiro: Record, 2011.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Tradução Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BADINTER, Elisabeth. XY: Sobre a Identidade Masculina. Tradução Maria Ignez Duque Estrada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BEAUVOIR, Simone de. A mulher desiludida. Tradução Helena Silveira e Maryan A. Bon Barbosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

BRASIL. Ata da 209ª sessão da Assembleia Nacional Constituinte em 25 de fevereiro de 1988. Diário da Assembleia Nacional Constituinte, Brasília, nº 191, p. 7.627-7.678, 25 fev. 1988.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 2016.

BRUM, Eliane. A “safada” que “abandonou” seu bebê, El País, 2015.

BUTLER, Judith. O parentesco é sempre tido como heterossexual? Cad. Pagu, n. 21, p. 19-260, 2003.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Parecer do Deputado Júlio Delgado (PSB/MG) na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público referente ao Projeto de Lei n. 3935/2008 e apensos. 2013a. Texto original. Câmara dos Deputados. Disponível em: https://goo.gl/pQfocr. Acesso em: 25 jun. 2016.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Parecer do Deputado Silvio Costa (PTB/PE) na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público referente ao Projeto de Lei n. 3935/2008 e apensos. Texto original. Câmara dos Deputados. 2012a. Disponível em: https://goo.gl/3G5DMP. Acesso em: 25 jun. 2016.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Projeto de Lei n. 1131/2015. Altera dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei Nº 5.452, de 1º de maio de 1943, para ampliar a licença paternidade para trinta dias. Texto original. Câmara dos Deputados. 2015. Disponível em: https://goo.gl/ypjqUX. Acesso em: 25 jun. 2016.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Projeto de Lei n. 3325/2012. Regulamenta a Licença Paternidade a que se refere o artigo 7º, inciso XIX, da Constituição Federal. Câmara dos Deputados. 2012b. Disponível em: https://goo.gl/wzkLX1. Acesso em: 25 jun. 2016. Texto Original.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Projeto de Lei n. 3935/2008. Acrescenta arts. 473-A a 473-C à Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, para regulamentar a licença-paternidade a que se refere o inciso XIX do art. 7º da Constituição Federal. Texto original. Câmara dos Deputados. 2008. Disponível em: https://goo.gl/Lau3eD. Acesso em: 25 jun. 2016.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Projeto de Lei n. 4878/2016. Altera a redação do Inciso III, do art. 473 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei n.º 5452, de 1º de maio de 1943, e o artigo 208, da Lei nº. 8.112, de 11 de dezembro de 1990 para definir a duração da licença paternidade. Texto original. Câmara dos Deputados. 2016. Disponível em: https://goo.gl/c1NYoF. Acesso em: 25 jun. 2016.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Projeto de Lei n. 879/2011. Acrescenta art. 473-A ao Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, que aprova a Consolidação das Leis do Trabalho, para estipular em 30 (trinta) dias a licença-paternidade. Texto original. Câmara dos Deputados. 2011. Disponível em: https://goo.gl/ZYNs8U. Acesso em: 25 jun. 2016.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Voto em Separado do Deputado Assis Melo (PCdoB/RS) na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público referente ao Projeto de Lei n. 3935/2008 e apensos. Texto original. Câmara dos Deputados. 2013b. Disponível em: https://goo.gl/ACvdBi. Acesso em: 25 jun. 2016.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Voto em Separado do Deputado Eudes Xavier (PT/CE) na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público referente ao Projeto de Lei n. 3935/2008 e apensos. Texto original. Câmara dos Deputados. 2013c. Disponível em: https://goo.gl/WJyTwZ. Acesso em: 25 jun. 2016.

CARVALHO NETTO, Menelick de. A contribuição do direito administrativo enfocado da ótica do administrado para uma reflexão acerca dos fundamentos do controle de constitucionalidade das leis no Brasil: um pequeno exercício de Teoria da Constituição. Revista do TST, Brasília, v. 68, n. 2, p. 67-84. abr/jun. 2002.

CARVALHO NETTO, Menelick de. A hermenêutica constitucional e os desafios postos aos direitos fundamentais. In: SAMPAIO, José Adércio Leite (Coord.). Jurisdição constitucional e direitos fundamentais. Belo Horizonte: Del Rey, 2003a, p. 141-163.

CARVALHO NETTO, Menelick de. Racionalização do ordenamento jurídico e democracia. Assembleia Legislativa de Minas Gerais. A Consolidação das leis e o aperfeiçoamento da democracia. Belo Horizonte, p. 13-38, 2003b.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. A Democracia Constitucional no Estado Democrático de Direito. 2016a. Disponível em: https://goo.gl/iUFVaL. Acesso em: 19 maio 2016.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. Democracia constitucional: um paradoxo? Um diálogo, ainda que breve, com Luhmann, Habermas e Derrida. 2016b. Disponível em: https://goo.gl/pkJpTP. Acesso em: 19 maio 2016.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. Notas programáticas para uma nova história do processo de constitucionalização brasileiro. In: CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade (Coord.). Constitucionalismo e História do Direito. Belo Horizonte: Pergamum, 2011. p. 19-59.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. Poder Constituinte e Patriotismo Constitucional: O projeto constituinte do Estado Democrático de Direito na Teoria Discursiva de Jürgen Habermas. Belo Horizonte: Mandamentos, 2006.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. Qual o sentido do Projeto Constituinte do Estado Democrático de Direito? Um exercício de Patriotismo Constitucional no marco da Teoria do Discurso, de Jürgen Habermas. 2016c. Disponível em: https://goo.gl/9PYjBz. Acesso em: 13 maio 2016.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade; MARQUES, Stanley Souza. Direito à licença-paternidade e masculinidades no Estado Democrático de Direito. Revista Culturas Jurídicas, São Paulo, v. 4, n. 9, p. 222-248, 2017.

CONNELL, R. W. Masculinities. Berkeley: University of California Press, 2005.

CONNELL, R. W. Políticas da masculinidade. Educação & Realidade, n. 20, v.2, p. 185-206, 1995.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. Tradução e revisão técnica Marília Moschkovich. São Paulo: nVersos, 2015.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2004.

FIGUEROA-PEREA, Juan Guillermo. Algunas propuestas dialógicas para relacionar paternidad, salud y mortalidad. Iztapalapa. Revista de Ciencias Sociales y Humanidades, n. 77, p. 55-75, julho-dezembro 2014.

FORNA, Aminatta. Mãe de todos os mitos: como a sociedade modela e reprime as mães. Tradução Angela Lobo de Andrade. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.

GILMORE, David D. Hacerse hombre. Concepciones culturales de la masculinidad. Traducción Patrik Ducher. Barcelona: Paidós, 1994.

HAYS, Sharon. As contradições culturais da maternidade. Tradução Beatriz Sidou. Rio de Janeiro: Gryphus, 1998.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. A divisão sexual do trabalho revisitada. In: MARUANI, Margaret; HIRATA, Helena (Org.). As novas fronteiras da desigualdade: homens e mulheres no mercado de trabalho. Tradução Clevi Rapkievicz. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2003.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Caderno de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n.132, p. 595-609, set./dez. 2007.

KIMMEL, MICHAEL S. Homofobia, temor, vergüenza y silencio en la identidade masculina. In: VALDÉS, Teresa; OLAVARRÍA, José (Ed.). Masculinidad/es: poder y crisis. Santiago: Isis Internacional, 1997. p. 49-62.

LEVTOV R. et al. State of the World’s Fathers: A MenCare Advocacy Publication. Washington, DC: Promundo, Rutgers, Save the Children, Sonke Gender Justice, and the MenEngage Alliance, 2015.

MARQUES, Stanley Souza. A Identidade do Sujeito Constitucional e o Direito Fundamental à Licença-paternidade: da paternidade tradicional às paternidades constitucionais. 2016a. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

MARQUES, Stanley Souza. Ampliar a licença-paternidade para despatriarcalizar o Estado e a sociedade. Gênero e Direito, Paraíba, n. 1, p. 241-260, 2015.

MARQUES, Stanley Souza. Identidade e Diferença: Licença-paternidade no Brasil e a Reconstrução da Identidade do Sujeito Constitucional. In: FREITAS, Riva Sobrado de; SANTIAGO, Mariana Ribeiro; XIMENES, Julia Maurmann (Org.). Direitos Fundamentais e Democracia IV. Florianópolis: CONPEDI/UFSC, p. 343-366, 2014.

MARQUES, Stanley Souza. Uma reconstrução constitucional-democrática das paternidades. Empório do Direito, 2016b.

MARTINS, Ana Paula Vosne. História da maternidade no Brasil: arquivos, fontes e possibilidades de análise. ANPUH – XXIII Simpósio Nacional de História. Londrina: ANPUH, 2005.

MATOS, Ana Carla Harmatiuk; OLIVEIRA, Ligia Ziggiotti de; NATIVIDADE, João Pedro Kostin Felipe de. Licença parental como agenda para a igualdade de gênero: diálogos entre modelos sueco e brasileiro. Revista da Faculdade de Direito da UFPR, Curitiba, vol. 61, n. 3, set./dez. 2016, p. 345-363.

MATOS, Marlise. Democracia, sistema político brasileiro a exclusão das mulheres: a urgência em se aprofundar estratégias de descolonização e despatriarcalização do Estado. Revista do Observatório Brasil de Igualdade de Gênero, Brasília, n. 7, p. 24-37, dezembro, 2015.

NASCIMENTO, Carla. Pai é ‘convidado a se retirar’ de fraldário enquanto cuidava de bebê e mãe critica: ‘Retrocesso’. Extra, 2016.

OIT. Mulheres no trabalho. Tendências 2016. Genebra: OIT, 2016.

PITANGUY, Jacqueline. Mulheres, Constituinte e Constituição. In: ABREU, Maria Aparecida (Org.). Redistribuição, reconhecimento e representação: diálogos sobre igualdade de gênero. Brasília: IPEA, 2011.

RAGO. Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar e a resistência anarquista. Brasil 1890-1930. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

ROSENFELD, Michel. A identidade do sujeito constitucional. Tradução Menelick de Carvalho Netto. Belo Horizonte: Mandamentos, 2003a.

ROSENFELD, Michel. Hacia una reconstrucción de la igualdad constitucional. In: CARBONELL, Miguel (Org.). El principio constitucional de la igualdad. México: Comisión Nacional de los Derechos Humanos, 2003b. p. 411-443.

ROSENFELD, Michel. The Constitutional Subject, its Other, and the Perplexing Quest for an Identity of its Own: A Reply to My Critics. Cardozo Law Review, v.33, n.5, p. 1.937-1.970, jun. 2012.

ROSENFELD, Michel. The Identity of the Constitutional Subject: Selfhood, Citizenship, Culture, and Community. London and New York: Routledge, 2010.

SALCEDO REPOLÊS, Maria Fernanda. A construção da identidade do sujeito constitucional em teorias hermenêuticas representativas dos paradigmas de Estado e de Direito modernos. Revista Direito Izabela Hendrix, v. 3, n. 3, p. 153-166, 2004.

SENADO FEDERAL. Projeto de Lei do Senado n. 652/2015. Acrescenta dispositivos à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e à Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, para dispor sobre a licença-paternidade. Texto original. Senado Federal. 2015. Disponível em: https://goo.gl/qbRNB1. Acesso em: 25 jun. 2016.

SENADO FEDERAL. Projeto de Lei do Senado n. 666/2007. Regulamenta a licença-paternidade a que se refere o inciso XIX, do art. 7º, da Constituição Federal. Texto original. Senado Federal. 2007. Disponível em: https://goo.gl/ZYNs8U. Acesso em: 25 jun. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rfdufpr.v63i2.52320

Revista da Faculdade de Direito UFPR. ISSN: 0104-3315 (impresso) 2236-7284 (eletrônico).