EXPERIÊNCIAS DE VIDA NA TRANSIÇÃO DE MODALIDADE DIALÍTICA: DA HEMODIÁLISE PARA A DIÁLISE PERITONEAL

Reyes Fernández Díaz, Miguel Núñez Moral, Beatriz Peláez Requejo, Mónica Fernández Pérez

Resumo


Objetivo: descrever a experiência de pacientes que fazem a transição da hemodiálise para a diálise peritoneal.
Método: estudo fenomenológico e qualitativo, com nove entrevistas semiestruturadas, de setembro de 2017 a maio de 2018. Critérios de inclusão: autonomia para diálise peritoneal, troca de modalidade da terapia de substituição renal e permanência mínima de dois meses na antiga e na nova terapia renal. Critérios de exclusão: hemodiálise domiciliar e comprometimento mental ou cognitivo. Um paradigma de codificação dedutivo-indutivo revelou cinco categorias principais.
Resultados: a transição denota a possibilidade de abandonar a dependência de terceiros e experimentar mudanças na vida, realizando ajustes para gerenciar a terapia domiciliar. 
Conclusão: a experiência vivida mobilizou recursos para adquirir uma identidade integradora fluida, assumindo um papel caracterizado pela satisfação e responsabilidade pessoal com o autocuidado.


Palavras-chave


Acontecimentos que Mudam a Vida; Cuidados de Transição; Diálise Renal; Pesquisa Qualitativa; Cuidados de Enfermagem.



DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v25i0.71416 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133