ADESÃO AO TRATAMENTO ANTI-HIPERTENSIVO EM IDOSOS COM COMPROMETIMENTO COGNITIVO: REVISÃO SISTEMÁTICA

Alyne Leal de Alencar Luz, Rosane Harter Griep, Maurício Batista Paes Landim, Delmo de Carvalho Alencar, Juliana Bezerra Macedo, Antonia Lucimary de Sousa Leal

Resumo


Objetivo: verificar a influência do comprometimento cognitivo na adesão ao tratamento anti-hipertensivo em idosos. Método: revisão sistemática, com a inclusão de artigos originais, disponíveis na integra, nos idiomas português, inglês e espanhol, publicados entre os anos de 2007 e 2021. A busca foi realizada nas bases SCIELO, PUBMED, LILACS e MEDLINE, com os descritores: “Cognitive Dysfunction”; “Medication Adherence”; “Hypertension”; “Aged”. Resultados: dos 216 estudos encontrados, cinco foram selecionados. Quatro mostraram relação negativa entre o comprometimento cognitivo e a adesão dos idosos ao tratamento anti-hipertensivo. Evidenciou-se que idosos com déficit cognitivo tinham maior probabilidade de inadequado controle da pressão arterial. Conclusão: observa-se que o comprometimento cognitivo é um importante fator de risco para baixa adesão ao tratamento em idosos hipertensos. Torna-se imprescindível a detecção precoce, visando adequar a assistência às condições cognitivas do idoso e otimizar o gerenciamento da medicação, para atingir o controle adequado dos níveis pressóricos.


Palavras-chave


Disfunção Cognitiva; Adesão à Medicação; Hipertensão; Idoso; Revisão Sistemática.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v26i0.70402 ';



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133