PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS E DOENTES SOBRE A ADESÃO AO TRATAMENTO DIRETAMENTE OBSERVADO EM TUBERCULOSE

Marune Melo Távora, Ivaneide Leal Ataíde Rodrigues, Laura Maria Vidal Nogueira, Fabiane Oliveira da Silva

Resumo


Objetivo: analisar os fatores intervenientes na adesão ao tratamento diretamente observado em tuberculose, na percepção de doentes e de enfermeiros de unidades básicas de saúde.
Método: pesquisa qualitativa descritiva com participação de 13 enfermeiros e 52 doentes de 12 Unidades Básicas de Saúde de Belém-Pará, Brasil. Para produção dos dados, realizaram-se entrevistas individuais, complementadas por observação não participativa. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo temática.
Resultados: da análise emergiram duas categorias: Percepções sobre o tratamento diretamente observado de doentes e enfermeiros e Operacionalização do tratamento diretamente observado: aspectos positivos e limitantes.
Conclusão: mesmo com as fragilidades apontadas, as unidades apresentam potencial para desenvolver a estratégia. Os enfermeiros são sensíveis à sua importância, mas necessitam de maior apoio institucional, e os doentes, quando bem esclarecidos, conseguem fazer uma boa adesão. Esse conhecimento pode proporcionar maior segurança para os enfermeiros na condução do acompanhamento aos pacientes.


Palavras-chave


Tuberculose; Terapia Diretamente Observada; Adesão à Medicação; Cooperação do Paciente; Enfermagem.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v26i0.69930 ';



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico 2176-9133 / ISSN Impresso 1414-8536