ENFERMEIROS E MÉDICOS NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CARGAS DE TRABALHO E ENFRENTAMENTO

Denise Elvira Pires de Pires, Elaine Cristina Novatzki Forte, Thayse Aparecida Palhano de Melo, Carolina Neis Machado, Camila Duarte de Castro, Felipa Rafaela Amadigi

Resumo


Objetivo: analisar fatores que aumentam e reduzem as cargas de trabalho de enfermeiros e médicos da ESF, e identificar as estratégias de enfrentamento.
Método: estudo qualitativo, realizado nas cinco regiões do país, através de entrevistas semiestruturadas. Participaram 27 enfermeiros e 21 médicos, no período de janeiro de 2017 a junho de 2019. Análise de conteúdo temática com software Atlas.ti 8.
Resultados: os fatores que aumentam as cargas foram o excesso de demanda, a sobrecarga de trabalho e falhas nas condições, organização e gestão do trabalho. O trabalho em equipe, o planejamento, o vínculo com o usuário e a resolutividade da assistência auxiliam na redução das cargas. Para o enfrentamento das cargas, destacam-se atividade física e desligar-se do trabalho.
Conclusão: predominaram elementos que aumentam as cargas, entretanto, características do modelo assistencial contribuem para a sua redução. A identificação das cargas é fundamental e contribui para o planejamento de ações de enfrentamento.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Estratégia Saúde da Família; Saúde do Trabalhador; Carga de Trabalho; Sistema Único de Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v25i0.67644 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133