COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES SOCIAIS ESTABELECIDAS ENTRE PAIS ADOECIDOS PELO CÂNCER E SEUS FILHOS

Michele Eugênio da Silva Vigarinho, Mariângela Abate de Lara Soares, Estela Ferreira da Silva, Edvane Birelo Lopes De Domenico

Resumo


Objetivos: identificar os fatores intervenientes nas relações interpessoais e no processo de comunicação entre pais com câncer e seus filhos, relativos ao processo de adoecimento e descrever as estratégias favorecedoras.
Método: revisão integrativa, 25 artigos selecionados, entre 2007 e 2017. Utilizou-se a estratégia de seleção: Patient, Intervention, Comparison e Outcomes para responder as questões norteadoras.
Resultados: a funcionalidade da estrutura familiar, bem como as atitudes no adoecimento influenciam a comunicação dos pais com câncer e seus filhos. Na perspectiva dos profissionais, há falta de preparo para estes auxiliarem a família. Quando estratégias são empreendidas, os resultados geram impacto positivo.
Conclusão: a qualidade e efetividade da comunicação e das relações interpessoais são alcançadas com uma comunicação efetiva, direcionada e individualizada, amparada por equipe multidisciplinar preparada e articulada para auxiliar tanto os pais como seus filhos, além de estratégias presenciais, individuais e em grupo, bem como o uso de materiais educativos.


Palavras-chave


Neoplasias; Família; Criança; Relações familiares; Comunicação em Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v24i0.58645 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133