QUEDA DO MESMO NÍVEL EM IDOSOS: FATORES ASSOCIADOS AO TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E RAQUIMEDULAR

Josy Anne Silva, Gustavo Henrique Marques Moreno, Liliana Yukie Hayakawa, Kelly Cristina Inoue, Roberto Kenji Nakamura Cuman

Resumo


Objetivo: identificar fatores associados à ocorrência de trauma cranioencefálico e raquimedular entre idosos que sofreram queda do mesmo nível. Método: estudo retrospectivo, com 192 prontuários de idosos que sofreram queda do mesmo nível em 2014 e foram atendidos no Pronto Atendimento de um hospital de ensino do Paraná. Realizou-se teste Z, para comparação de proporções do grupo com (n=80) e sem (n=112) trauma cranioencefálico ou raquimedular com dados demográficos, de saúde, da queda e da avaliação/atendimento. Resultados: dos idosos identificados, 80 (41,7%) tiveram traumatismo cranioencefálico ou raquimedular. Houve associação significativa com a ocorrência de traumatismo cranioencefálico ou raquimedular: sexo masculino (p=0,0109), transporte especializado (p=0,0001), queda em via pública (p=0,0026), ausência de hipertensão arterial (p=0,0434) e presença de doença psiquiátrica (p=0,0048). Conclusão: o trauma cranioencefálico ou raquimedular é um evento frequente associado à queda do mesmo nível, o que denota a necessidade de medidas educativas e preventivas visando à redução da quedas.


Palavras-chave


Serviços de saúde para idosos; Envelhecimento; Traumatologia; Ferimentos e lesões; Medicina de emergência.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i4.56325 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133