PRÁTICAS MATERNAS E USO DE TERAPIAS ALTERNATIVAS NO CUIDADO DA CRIANÇA

Karina Jullyana de Melo Brondani, Rosângela Aparecida Pimenta Ferrari, Alexandrina Aparecida Maciel Cardelli, Mauren Teresa Grubisich Mendes Tacla, José Carlos Dalmas, Flávia Genovesi Fançoso

Resumo


RESUMO: Objetivo: analisar o cuidado da criança e uso de terapias alternativas pelas mães nos primeiros 42 dias pós-parto. Método: pesquisa quantitativa descritiva transversal realizada em maternidade pública de baixo risco e visita domiciliar aos 42 dias pós-parto, entre julho de 2013 e janeiro de 2014, em Londrina-PR. Utilizou-se o Teste de Exato de Fischer e Qui-Quadrado com intervalo de confiança de 95%. Resultado: entre as 357 puérperas, 50,7% com idade ≤24 anos, 69,2% multíparas, 75,4% escolaridade ≥8anos e 49% renda ≥2 salários mínimos. A terapia complementar foi indicada predominantemente por avós, utilizada no banho da criança (97=27,2%), coto umbilical (143=39,9%), conjuntivite (108=81%) e icterícia (56=34,6%). A classe social foi significativa (p=0,005) com a faixa etária, escolaridade, renda e uso de chás. Conclusão: as práticas maternas se mantiveram entre as gerações, algumas indiscriminadamente, sendo necessário que a equipe de saúde previna agravos e promova saúde considerando os aspectos culturais familiares.

Palavras-chave


DESCRITORES: Saúde da criança; Enfermagem transcultural; Cuidados de enfermagem; Enfermagem pediátrica; Promoção da saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i4.54090 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133