A ESTRUTURA DA REDE SOCIAL DA MÃE/ACOMPANHANTE DA CRIANÇA HOSPITALIZADA

Rita de Cássia Melão de Morais, Tania Vignuda de Souza, Isabel Cristina dos Santos Oliveira, Juliana Rezende Montenegro Medeiros de Moraes

Resumo


Objetivo: Analisar a estrutura da rede social da mãe/acompanhante durante a hospitalização da criança. Método: pesquisa qualitativa, em hospital pediátrico do Rio de Janeiro. Foram entrevistadas dez mães/acompanhantes de fevereiro a dezembro de 2015. Utilizou-se o referencial teórico-metodológico e a análise de rede social de Lia Sanicola. Resultados: as redes primárias configuraram-se de tamanho médio e laços fortes, principalmente as redes das crianças que estão na primeira hospitalização, pois se mostraram mais numerosas comparadas com aquelas que já tiveram outras hospitalizações. Das redes secundárias, foram mencionadas: redes formal, terceiro setor e mercado. Não foram citadas as redes mista e informal. Conclusão: hospitalizações prolongadas e frequentes da criança interferem na dinâmica da rede social, tendo em vista que, ao longo das hospitalizações, ela se torna menor, porém com laços mais fortalecidos. A rede de atenção primária não foi mencionada e é justificada através do diagnóstico de doença crônica desde o nascimento.

Palavras-chave


Apoio social; Rede social; Família; Criança hospitalizada; Enfermagem pediátrica.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i1.50456 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133