PREPARO DE MEDICAMENTOS ADMINISTRADOS VIA INTRAMUSCULAR NA PEDIATRIA: ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

Rafaela de Oliveira Mota, Eva Anny Wélly de Souza Brito, Thais Lima Vieira de Souza, Laryssa Miranda Vidal Cavalcante Farias, Érica Oliveira Matias, Francisca Elisângela Teixeira Lima

Resumo


Objetivou-se avaliar a atuação da equipe de Enfermagem na organização do ambiente, no preparo e na diluição de medicamentos administrados por via intramuscular na pediatria. Estudo observacional, quantitativo, desenvolvido mediante 327 observações do preparo de medicamento intramuscular, no período de dezembro de 2014 a maio de 2015, em um hospital pediátrico, Fortaleza-Ceará. Para observações utilizou-se um checklist composto pelas etapas: organização do ambiente com quatro ações; preparo e diluição de medicamentos com 12 ações. Na organização do ambiente, alcançou-se desempenho satisfatório na ação organizar a bancada, com 231 (70,6%). A etapa de preparo e diluição do medicamento obteve desempenho satisfatório em seis ações: separar bolas de algodão com álcool e seca, com 252 (77%); escolher seringa compatível com o volume a ser administrado, com 264 (80,7%); selecionar adequadamente a agulha para aspiração, com 233 (71,2%), e a agulha para administração, com 320 (97,8%); trocar agulha depois do preparo, com 266 (81,3%); e reconstituir medicação em água destilada, com 327 (100%). Com isso, identificaram-se fragilidades como observar a data de validade do medicamento e identificar a medicação preparada que interferem na segurança da administração de medicamentos na pediatria.

Palavras-chave


Enfermagem; Injeções Intramusculares; Sistemas de Medicação no Hospital; Pediatria; Segurança do Paciente.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Harada MJCS, Pedreira MLG. O erro humano e sua prevenção. In: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Assistência Segura: Uma Reflexão Teórica Aplicada à Prática. Brasília: ANVISA; 2013. p. 41-55.

Filho FMA, Martins IMS, Soares CSRS, Fazendeiro PG, Paranaguá TTB, Bezerra ALQ. Administração de medicamentos: conhecimento de enfermeiros do setor de urgência e emergência. Enferm. glob. [Internet] 2012; 11(26) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v11n26/pt_clinica5.pdf

Brasil. Lei n. 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a Regulamentação do Exercício da Enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 25 jun. 1986. Seção 1:1.

Ferreira FLC, Fernandes G, Fonseca PML, Christoffel MM. Terapia intravenosa em neonatologia e na pediatria: uma revisão sistemática da literatura. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online. [Internet] 2010; Suppl 2 [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/838/pdf_99

Silva AEBC. Análise de risco do processo de administração de medicamentos por via intramuscular em pacientes de um Hospital Universitário de Goiás [tese]. Ribeirão Preto (SP): Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto; 2008.

Cançado RD, Lobo C, Friedrich JR. Tratamento da anemia com ferro ferropriva com ferro por via parenteral. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. [Internet] 2010; 32(2) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/rbhh/v32s2/aop66010.pdf

Portela JL, Piva JP. Midazolam versus diazepam para tratamento de estado de mal epiléptico em emergência pediátrica. Scientia Medica. [Internet] 2011; 21(4) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/scientiamedica/article/view/9176/7244

Belela ASC, Peterlini MAS, Pedreira MLG. Revelação da ocorrência de erro de medicação em unidade de cuidados intensivos pediátricos. Rev. Bras. Ter. Intensiva. [Internet] 2010; 22(3) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://www.rbti.org.br/artigo/detalhes/0103507X-22-3-7

Torres MM, Andrade D, Santos CB. Punção venosa periférica: avaliação de desempenho dos profissionais de enfermagem. Rev Latinoam Enferm. [Internet] 2005; 13(3) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/2085/2170

Peduzzi M, Anselmi ML, França IJ, Santos CB. Qualidade no desempenho de técnicas dos trabalhadores de enfermagem de nível médio. Rev Saúde Pública. [Internet] 2006; 40(5) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://www.scielosp.org/pdf/rsp/v40n5/14.pdf

Camerini FG, Silva LD. Segurança do paciente: análise do preparo de medicação intravenosa em hospital da rede sentinela. Texto Contexto Enferm. [Internet] 2011; 20(1) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://www.index-f.com/textocontexto/2011pdf/20-041.pdf

Graziano MU, Graziano KU, Pinto FMG, Bruna CQM, Souza RQ, Lascala CA. Eficácia da desinfecção com álcool 70% (p/v) de superfícies contaminadas sem limpeza prévia. Rev. Latino-Am. Enfermagem. [Internet] 2013; 21(2) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://www.revistas.usp.br/rlae/article/download/75965/79483

Assad C, Reinehr E, Siliprandi EMO, Costa G. Limpeza e desinfecção de superfícies. In: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies. Brasília: ANVISA; 2010. p. 72.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Luvas cirúrgicas e luvas de procedimentos: considerações sobre o seu uso Boletim Informativo de Tecnovigilância – Brasília. 2011. [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://www.anvisa.gov.br/boletim_tecno/boletim_tecno_Junho_2011/PDF/Luvas%20Cir%C3%BArgicas%20e%20Luvas%20de%20Procedimentos_Considera%C3%A7%C3%B5es%20sobre%20o%20uso.pdf

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Parecer COREN-SP 042/2014–CT. Ementa: utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. São Paulo; 2014.

Rosa MB, Perini E, Anacleto TA, Neiva HM, Bogutchi T. Erros na prescrição hospitalar de medicamentos potencialmente perigosos. Revista de Saúde Pública. [Internet] 2009; 43(3) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v43n3/7265.pdf

Santana JCB, Sousa MA, Soares HC, Avelino KSA. Fatores que influenciam e minimizam os erros da administração de medicamentos pela equipe de enfermagem. Revista Enfermagem Revista. [Internet] 2012; 15(1) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://periodicos.pucminas.br/index.php/enfermagemrevista/article/view/3300/3657

Veloso IR, Telles PCP, Durão AMS. Identificação e análise de erros no preparo de medicamentos em uma unidade pediátrica hospitalar. Rev. Gaúcha Enferm. [Internet] 2011; 32(1) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v32n1/a12v32n1.pdf

Cardoso SR, Pereira LS, Souza ACS, Tipple AFV, Pereira MS, Junqueira ALN. Anti-sepsia para administração de medicamentos por via endovenosa e intramuscular. Rev. Eletr. Enf. [Internet] 2006; 8(1) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/revista8_1/original_10.htm

Lippert WC, Wall EJ. Optimal Intramuscular Needle-Penetration Depth. Pediatrics: Official Journal of the American Academy of Pediatrics. [Internet] 2008; 122 (3): 556-563.

Hockenberry MJ, Wilson D. WONG, Fundamentos de Enfermagem Pediátrica. 9ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

Fassarella CS, Bueno AAB, Souza ECC. Segurança do paciente no ambiente hospitalar: os avanços na prevenção de eventos adversos no sistema de medicação. Revista Rede de Cuidados em Saúde. [Internet] 2013; 7(1) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://publicacoes.unigranrio.br/index.php/rcs/article/viewFile/1897/907

Miasso AI, Cassiani SHB. Erros na administração de medicamentos: divulgação dos conhecimentos e identificação do paciente como aspectos relevantes. Rev Esc Enfermagem USP. [Internet] 2000; 34(1) [acesso em 28 fev 2016]. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v34n1/v34n1a03.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i5.45619 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133