PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE GESTANTES DE ALTO RISCO

Lediana Dalla Costa, Caroline Cales Cura, Alessandro Rodrigues Perondi, Vivian Francielle França, Durcelina Schiavoni Bortoloti

Resumo


O objetivo do presente estudo foi traçar o perfil epidemiológico de gestantes de alto risco atendidas no Instituto da Mulher, Secretaria de Saúde do município de Francisco Beltrão. O estudo avaliou 61 prontuários, entre janeiro e junho de 2015. Verificou-se que 82% (n=50) das gestantes tinham de 15 a 35 anos; 47,5% (n=29) possuíam o segundo grau completo; 52,5% (n=32) casadas; 62,3% (n=38) da cor branca; 88,5% (n=54) com antecedentes familiares de doença crônica, sendo 63,9% (n=39) com hipertensão arterial; 82% (n=50) com antecedentes pessoais, somando 52,5% (n=32) casos de infecção urinária; 70,5% (n=43) eram multíparas. A gestação de risco evoluiu para cesarianas em 80,3% (n=49) dos casos. Este estudo produziu informações importantes a respeito do perfil desta população, o que permite os profissionais envolvidos no atendimento a gestante de alto rico possa exercer um papel fundamental na redução da mortalidade materna. Conclui-se que estas gestantes de alto risco aparentemente não apresentam perfil diferente da realidade de outros municípios do Brasil, principalmente quando a hipertensão foi constatada como importante fator de antecedente familiar, pessoal e prevalência atual.

Palavras-chave


Gravidez de alto risco; Perfil de saúde; Cuidado pré-natal; Gestantes; Saúde da mulher.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Peixoto CR, Freitas LV, Teles LMR, Campos FC, Paula PFD, Damasceno AKDC. O pré-natal na atenção primária: o ponto de partida para reorganização da assistência obstétrica. Rev. enferm. 2011; 19 (2): 286-291.

Carvalho, VCPD, Araújo TVBD. Adequação da assistência pré-natal em gestantes atendidas em dois hospitais de referência para gravidez de alto risco do Sistema Único de Saúde, na cidade de Recife, Estado de Pernambuco. Rev. bras. saúde matern. infant, 2007; 7 (3): 309-317.

Brasil. Brasil incentiva ações e campanhas para garantir pré-natal a gestantes. [Internet] 2011. [acesso em 21 set. 2014]. Disponível: http://www.brasil.gov.br/saude/2011/10/brasil-incentiva-acoes-e-campanhas-para-garantir-pre-natal-a-gestantes

Cavalcante SDO, Dotto LMG, Koifman S, Cunha MDA, Oliveira MFDS, Mamede MV, et al. Atenção pré-natal no município de Rio Branco, Acre: inquérito de base populacional, 2007-2008. Rev. baiana saúde pública 2011;35 (3): 661-675.

Paraná. Secretaria da Saúde do Paraná. O que é a Rede Mãe Paranaense. [Internet] 2015. [acesso em 27 jan 2015]. Disponível: http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=2892

Unicef. Fundo das Nações Unidas para a Infância. Mortes maternas caem um terço em todo o mundo. [Internet]. 2015. [acesso em 19 fev 2015]. Disponível: http://www.unicef.org/brazil/pt/media_18811.htm

Anjos JCS et al. Perfil epidemiológico das gestantes atendidas em um centro de referência em pré natal de alto risco. Rev. para. med, 2014; 28 (2).

Santos EMF et al. Perfil de risco gestacional e metabólico no serviço de pré-natal de maternidade pública do Nordeste do Brasil. Rev. bras. ginecol. obstet, 2012; 34 (3): 102-106.

Domingues RMSM, Dias MAB, Nakamura-Pereira M , Torres JA , d'Orsi E , Pereira APE, et al. Processo de decisão pelo tipo de parto no Brasil: da preferência inicial das mulheres à via de parto final. Cad. Saúde Pública 2014; 30 Sup: S1-S16.

Moura ERF, Oliveira CGS, Damasceno AKC, Pereira MMQ. Fatores de risco para síndrome hipertensiva específica da gestação entre mulheres hospitalizadas com pré-eclâmpsia. CogitareEnferm. 2010 abr/jun; 15 (2): 250-5.

Duarte G, Marcolin AC, Quintana SM, Cavalli RC. Infecção urinária na gravidez. RevBrasGinecolObstet 2008; 30 (2): 93-100.

Brasil. Ministério da Saúde. Gestação de alto risco: manual técnico. 5. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012.

Assis TR, Viana FPavan, Rassi S. Estudo dos principais fatores de risco maternos nas síndromes hipertensivas da gestação. ArqBrascardiol 2008; 91 (1): 11-17.

Godinho JCM, Silva LP, Freitas ATV, Martins KA, Amaral WN. Ganho ponderal excessivo em gestantes atendidas em serviço público de alto risco. Fragmentos de Cultura 2014; 24 (esp.): 85-95.

Nomura RMY, Paiva LV, Costa VN, Liao AW, Z M. Influência do estado nutricional materno, ganho de peso e consumo energético sobre o crescimento fetal, em gestações de alto risco. Rev. bras. ginecol. obstet, 2012; 34 (3): 107-112.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i2.44192 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133