VÍTIMAS DE AGRESSÕES POR ARMA BRANCA: O QUE RETRATA A DEMANDA DE UM SERVIÇO DE URGÊNCIA

Júlio César Batista Santana, Bianca Santana Dutra, Juliana Alves Viana, Lidiane Sales Vieira, Cecília Maria Lima Cardoso

Resumo


Este estudo objetivou determinar as características epidemiológicas das 105 vítimas de agressões por arma branca atendidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de um município de Minas Gerais, no período de 2006 a 2008, por meio da análise das fichas de atendimento. As vítimas foram predominantemente homens com idade entre 21 a 40 anos; as lesões em cabeça e pescoço, membros e tórax foram a maioria e decorrentes do uso de facas; as ocorrências se deram, predominantemente, nos finais de semana. A maioria das vítimas foi encaminhada ao hospital de referência, contudo, a constatação do óbito no local do atendimento se deu em 5,72% dos casos. Os resultados demonstram a necessidade de implementação de políticas de saúde pública voltadas para a prevenção, controle e minimização desses agravos.

Palavras-chave


Agressão; Violência; Serviços médicos de emergência; Cuidados de enfermagem; Equipe de enfermagem

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v17i1.26378 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133