O SIGNIFICADO DE SER COLOSTOMIZADO E PARTICIPAR DE UM PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO OSTOMIZADO

Júlio César Batista Santana, Bianca Santana Dutra, Mariana Abreu Tameirão, Poliana França Silva, Isabella Celeste Moura, Ana Cristina Viana Campos

Resumo


Estudo qualitativo, com inspiração fenomenológica. Teve por objetivo compreender o significado de ser colostomizado e participar de um programa de atendimento ao ostomizado. O estudo foi realizado com sete pessoas colostomizadas, por meio de entrevista contemplando a questão norteadora: “Qual o significado para você de ser portador de uma colostomia?”. Emergiram as seguintes categorias: Mudanças no cotidiano da vida – adaptação a nova situação; Transformação do corpo – influência no contexto biopsicossocial; Influência do tempo e o apoio da religiosidade na aceitação em ser um ostomizado; Papel da família e do grupo operativo; Possibilidade de viver com algumas limitações, superando a discriminação. Concluímos que as pessoas com ostomias passam por alterações corporais que influenciam na autoestima e nas relações do convívio social. Percebe-se que o passar do tempo, associado com a religiosidade e apoio dos familiares e dos grupos operativos são fatores importantes para a aceitação e adaptação a nova condição.

Palavras-chave


Colostomia; Assistência; Cuidados de enfermagem; Saúde da família

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v15i4.20358

 Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133
 
Siga a Revista Cogitare Enfermagem:
 
 
 
  
 https://www.youtube.com/channel/UC2sNflu71WG2-JzMTHIe9QA?view_as=subscriber