SINTOMAS DE DISFORIA E DEPRESSÃO EM ESTUDANTES DE ENFERMAGEM

Ana Patrícia Bustillos Cáceres, Andreia Morales Cascaes, Fátima Büchele

Resumo


Este estudo teve como objetivo estimar a prevalência de sintomas de disforia e depressão segundo características demográficas, socioeconômicas, culturais, hábitos comportamentais e fases do curso entre os estudantes de Enfermagem. Foram pesquisados 194 estudantes do curso de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina; os dados foram coletados por meio da aplicação de um questionário e do Inventário de Depressão de Beck (IDB). A maioria era do sexo feminino (92,78%), solteiros (91,24%), com idade média de 22 anos. A prevalência de sintomas de disforia e depressão foi de 7,22% e 5,67%, respectivamente. Escolaridade da mãe, prática de lazer e religião foram associadas significativamente com sintomas de disforia e depressão (p<0,05); a média dos escores obtidos do IDB foi de 8,38 (DP 7,13). O rastreamento de sinais e sintomas de disforia e depressão em estudantes torna-se importante no planejamento e monitoramento de serviços de apoio psicológico.

Palavras-chave


Prevalência; Depressão; Estudantes de enfermagem

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v15i4.20356 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133