O ENSINO DE GEOGRAFIA SOBRE A SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL NAS CIDADES BRASILEIRAS

Mugiany Oliveira Brito Portela

Resumo


 

As cidades brasileiras apresentam desafios, no que se refere ao espaço urbano, que não são indiferentes à realidade do processo de ensino-aprendizagem na educação básica, sobretudo quando estudados pela compreensão da Geografia. Nessa perspectiva, este artigo tem como objetivos entender o que pode ser estudado na escola básica quando o assunto é segregação socioespacial e contribuir para a orientação da mediação didática do professor de Geografia ao trabalhar esse assunto. Apresentam-se duas sínteses sobre as principais ideias acerca da segregação socioespacial, defendidas por autores estrangeiros e brasileiros, conforme Negri (2008) e Araújo (2017). Foram feitas algumas problematizações e sugestões sobre como mediar conhecimentos geográficos relacionados ao tema segregação socioespacial para a educação básica, como base nas proposições de Cavalcanti, (2014) e Portela, (2017). As ideias apresentadas reafirmam a importância da permanência do conhecimento geográfico em todos os níveis da Educação Básica bem como a indicação de que, sem entender o que é segregação socioespacial, as crianças e jovens perderão a possibilidade de se desenvolverem como cidadãos atuantes na cidade.

 


Palavras-chave


Ensino; Geografia; Segregação; Cidades.

Texto completo:

AUTORIZAÇÃO ARTIGO


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v15i1.65346



Revista Geografar ISSN: 1981-089X