O PROCESSO DE DES(RE)TERRITORIALIZAÇÃO DOS TRABALHADORES NORDESTINOS NO TERRITÓRIO AMAZÔNICO DURANTE OS CICLOS DA BORRACHA

Adnilson de Almeida Silva, Antônio Carlos Galvão da Silva, Jania Maria de Paula, Josué da Costa Silva, Lucileyde Feitosa Sousa

Resumo


O artigo apresenta os resultados de pesquisa do Grupo de Estudos e Pesquisas Modos de Vida e Culturas Amazônica (GEPCULTURA/UNIR) sobre as implicações da des (re) territorialização nos seringais da Amazônia, atendo-se aos Ciclos da Borracha, no período compreendido entre o século XIX e meados da década de 1960. O objetivo consistiu em analisar o processo de dês (re)territorialização dos nordestinos (Batalha da Borracha), no território amazônico. Buscou-se uma abordagem geográfica, sobretudo, com base na contribuição de Santos (2006), Costa (2004) e pesquisadores da própria região amazônica: Amaral (2004), Almeida Silva (2007), Benchimol (1992), Ferrarini (1976; 1979), Nascimento Silva (2000), Paula (2008), Silva (1994) E Silva (2008), para melhor reflexão dessa nova configuração do espaço amazônico. Entender tal processo passa pela compreensão dos fatores e políticas públicas governamentais adotadas no período dos Ciclos da Borracha (Séculos XIX e XX), os quais atraíram nordestinos ávidos por melhores condições de vida, colaborando para a reconstrução de um novo território, o qual não se restringiu a simples demarcação de limites físicos, mas a um espaço dinâmico no interior da Amazônia, propiciando o surgimento de uma cultura que, juntamente com a cultura local e de caráter fortemente indígena, se fundiu enriquecendo mais esse território amazônico.

Palavras-chave


Amazônia; Cultura; Des(re)territorialização; Território; Seringueiros

Texto completo:

PDF Autorização


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v5i1.17782



Revista Geografar ISSN: 1981-089X