PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES DA DITADURA MILITAR NA PROPAGANDA DE DESAPROPRIAÇÃO DA ITAIPU BINACIONAL

Catiane Matiello

Resumo


A partir da década de 1970, com o início das obras da usina Hidrelétrica de Itaipu Binacional, cerca de 40 mil pessoas, ao longo dos oito municípios brasileiros afetados pela formação do lago, começaram a viver o drama da expropriação, sendo aproximadamente 20 mil o número de desapropriados no Paraguai. O objetivo principal do presente trabalho consistiu em buscar focalizar a trajetória das famílias expropriadas, marcada pelo desenraizamento social e por violências simbólicas, por meio da análise de propagandas relacionadas à Itaipu como representações do discurso do governo militar, direcionado à população desapropriada de suas terras. Dessa forma, acreditamos que a análise dessa documentação pode revelar a amplitude e a sofisticação dos discursos proferidos pelo governo sobre a Itaipu. Estes visavam, sobretudo, convencer os desapropriados e a opinião pública nacional sobre a “inquestionável” legitimidade de suas ações em torno da concretização desse projeto monumental.

Palavras-chave


Itaipu Binacional; Ditadura militar; Expropriação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rfdufpr.v43i0.6986

Revista da Faculdade de Direito UFPR. ISSN: 0104-3315 (impresso) 2236-7284 (eletrônico).