Exposição à morte e biopolítica: uma abordagem a partir do racismo de Estado e do paradigma imunitário

Angela Couto Machado Fonseca, Dhyego Câmara de Araújo

Resumo


A discussão aqui proposta pretende analisar a produção da morte e a exposição à morte por meio das lentes fornecidas pela biopolítica e não sob o viés jurídico-político tradicional. Busca-se, pelo uso de metodologia analítica, problematizar que uma devida tematização da morte requer o deslocamento nos modos de se pensar vida/morte como fenômenos meramente jurídicos para pensá-los como efeitos de relações de poder pertencentes a uma lógica da modernidade política. A partir da noção de Racismo de Estado de Michel Foucault e do Paradigma Imunitário de Roberto Esposito, a produção da morte é colocada dentro do problema de como a biopolítica se converte em tanatopolítica. Ambos os autores permitem conceber na biopolítica moderna um circuito entre proteção e negação da vida, que se desdobra por uma cisão valorativa entre tipos de vida acobertados pela proteção e outras enviadas para a produção da morte. O que se busca com essa análise é a ampliação do debate sobre a relação vida e morte no cenário político contemporâneo, pela proposição de um desvio das análises pautadas apenas no critério da (i)legalidade de promover a morte. A intenção é a de questionar como, dentro dos próprios moldes de funcionamento de uma moderna política da vida, a produção da morte é chamada a participar. Trata-se de perceber como a semântica da biopolítica permite acessar um funcionamento de proteção da vida e produção da morte operante, à revelia da tonalidade humanista e do valor da vida humana assumida pelos modernos discursos jurídicos e políticos. A atenção a essa lógica de poder atuante na modernidade e seus mecanismos de funcionamento que produzem ordenação hierarquizada da vida e exposição à morte é o que se busca, minimamente, com esta análise.


Palavras-chave


Biopolítica. Exposição à morte. Racismo de Estado. Paradigma imunitário.

Texto completo:

PDF

Referências


BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Tradução Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CAMPBELL, Timothy. Política, Imunidade, Vida: O pensamento de Roberto Esposito no debate contemporâneo. In: ESPOSITO, Roberto. Termos da Política: comunidade, imunidade, biopolítica. Tradução Angela C. Machado Fonseca, João Paulo Arrosi, Luiz Ernani Fritoli e Ricardo Marcelo Fonseca. Curitiba: Ed. UFPR, 2017.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS (CORTE IDH). Caso Favela Nova Brasília Vs. Brasil. Sentença de 16 de fevereiro de 2017. Série C Nº 333. Disponível em: https://goo.gl/DPAqJP. Acesso em: 16 set. 2017.

ESPOSITO, Roberto. Bios: Biopolítica E Filosofia. Tradução M. Freitas da Costa. Lisboa: Edições 70, 2010.

ESPOSITO, Roberto. Communitas: Origine e destino della comunità. Torino: Einaudi, 2006.

ESPOSITO, Roberto. Immunitas: Protezione e negazione della vita. Torino: Einaudi, 2002.

ESPOSITO, Roberto. Termos da Política: comunidade, imunidade, biopolítica. Tradução Angela C. Machado Fonseca, João Paulo Arrosi, Luiz Ernani Fritoli e Ricardo Marcelo Fonseca. Curitiba: Ed. UFPR, 2017.

FONSECA, Angela Couto Machado. Biopolítica e Direito: fabricação e ordenação do corpo moderno. Belo Horizonte: Arraes Editores, 2016.

FONSECA, Ricardo Marcelo. Modernidade e contrato de trabalho: do sujeito de direito à sujeição jurídica. São Paulo: LTr, 2002.

FONSECA, Ricardo Marcelo. O poder entre o direito e a 'norma': Foucault e Deleuze na Teoria do Estado. In: FONSECA, Ricardo Marcelo (Org.). Repensando a teoria do Estado. Belo Horizonte: Fórum, 2004, p. 259-281.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. Curso no Collège de France (1975-1976). Tradução Maria Emantina Galvão. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: A vontade de saber. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2011a.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução Raquel Ramalhete. 39. ed. Petrópolis: Vozes, 2011b.

GRUPO GAY DA BAHIA. Quem a homotransfobia matou hoje? Disponível em: https://goo.gl/Hq5qZO. Acesso em: 16 set. 2017.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA) / FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (FBSP). Mapa da Violência 2017. Disponível em: https://goo.gl/hVBdaf. Acesso em: 16 set. 2017.

NALI, Marcos. A abordagem imunitária de Roberto Esposito: biopolítica e medicalização. Revista INTERthesis. Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 39-50, 2012.

NALI, Marcos. Communitas/Immunitas: a releitura de Roberto Esposito da biopolítica. Revista Filosofia Aurora. Curitiba, v. 25, n. 37, p. 79-105, 2013.

TRANS RESPECT VERSUS TRANSPHOBIA WORLDWIDE (TVT). Trans Murder Monitoring Update. Disponível em: https://goo.gl/FkLPJq. Acesso em: 16 set. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rfdufpr.v63i1.55306

Revista da Faculdade de Direito UFPR. ISSN: 0104-3315 (impresso) 2236-7284 (eletrônico).